História de Ilhéus

A história de Ilhéus completa

 

SÉCULO XVI

 

Quando aplicado ao Brasil o sistema Colonial das Donatarias pelo Rei de Portugal D.João III, a Capitania com 50 léguas de costa, demarcada da foz do Rio Jaguaripe até a foz do Rio Jequitinhonha, doada ao fidalgo português, Escrivão da Real Fazenda, Jorge de Figueiredo Correia, denominada ”Capitania dos Ilhéus” Já conhecida em 1531 pela esquadra de Martim Afonso de Sousa, que aportou em Tinharé, e cartografada em 1534 por Gaspar Veigas. Para o interior dilata-se a Capitania em 50 léguas ou quanto se possa conquistar em nome da Coroa Portuguesa, até a linha de demarcação, que de acordo com o Tratado de 7 de junho de 1494, corria 370 léguas a oeste do Cabo Verde, até o Meridiano convencional de Tordesilhas, porém com a densa Mata Atlântica, rios navegáveis até certo ponto e os aborígenes ou ameríndios Tupiniquins , estreitaram a colonização inicial ao litoral.
A Carta de doação data de 26 de julho de 1534, e o Foral de 11 de março de 1535, registrado às folhas 70 do livro 10 da Chancelaria de D.João III, de 1° de abril de 1535, data exata dos documentos reunidos, formando assim o ”Estatuto Fundamental” ou certidão de nascimento da Capitania dos Ilhéus.
Jorge de Figueiredo Correia não veio a sua donataria, mandando o Castelhano Francisco Romero para ser seu Loco-Tenente e tomar posse da Capitania. Esse partiu de Portugal (do Tejo) em 1535, fazendo escala na Baía de Todos os Santos e aportando em Tinharé (Morro de São Paulo) onde começou a instalar seus homens e benfeitorias, a bordo da expedição encontrava-se o padre Simão de Vasconcelos. Após exploração do território ao sul por algumas naus, os topógrafos da esquadra acharam um lugar com defesas naturais, abundância de vegetação e excelente potencial hídrico, assim abandonaram Morro de São Paulo e partiram rumo ao sul, onde se instalaram no cume do morro de Santo Antônio (hoje São Sebastião) e batizaram a vila de São Jorge, a Baía dos Ilhéus devido aos recifes e ilhéus coralígenos que ali se enfileiram, fora da barra, o ilhéu grande ou verde pedra de Ilhéus, o Itaipins, o Itapitanga e o Rapa.
A vila de São Jorge, homenagem ao donatário Jorge de Figueiredo Correia, homônimo do guerreiro Príncipe da Capadócia, martirizado no tempo de Diocleciano e que veio a ser um dos padroeiros de Ilhéus, não se tem a data exata da instalação, mas devido aos primeiros colonizadores e sim por parte de alguns habitantes que anos mais tarde teriam queimado os arquivos municipais, assim como sumiu a Ata da primeira reunião do Conselho de Vereança ou Câmara Municipal Ilhéus foi uma das cinco primeiras vilas criadas no Brasil, logo após a de São Vicente em 1532, por Martim Afonso de Sousa. Francisco Romero e seus homens encontraram aqui as nações indígenas distribuídas em; ao sul Tupiniquins (os guerreiros) e ao norte os Tupinambás, com eles a poligamia, já usavam o fogo, mais não os metais, alimentavam-se de frutas, peixes, caça e farinha de mandioca, não conheciam animais de serviço doméstico ou transporte, aqui se encontrou algodão, banana da terra, fumo, inhame, abacaxi, jerimum, milho, aipim, taioba, mandioca, feijão, a batatinha e o arroz. No início a Capitania prosperou devido ao dinheiro empregado por Jorge Figueiredo e a não escravização indígena. Os colonos começaram a desbravar as matas, Rio Cachoeira a dentro e plantar e cultivar a cana-de-açúcar e a mandioca. Trouxeram o boi e outros mamíferos domésticos, deram incremento ao corte e à exploração das madeiras de lei que superabundavam em nossas matas, resguardando o Pau-Brasil ao monopólio Português. Nesta época a vila foi considerada a mais abastada do Brasil, suprindo de mantimentos em 1549 a numerosa comitiva de Tomé de Sousa, primeiro governador geral do Brasil. A principal cultura era a da cana-de-açúcar, que constituiu na maior riqueza agrícola do Brasil colônia, trazidas as sementes da Ilha da Madeira ou São Tomé, afirmando alguns historiadores ser aqui o primeiro lugar do Brasil que se cultivou a cana-de-açúcar, que se adaptou excelentemente as margens dos rios navegáveis (Cachoeira, Santana e Almada), vindo a escravizar os índios e posteriormente os negros importados da África, em sua maioria da Guiné.
Capela de Santana construída no século XVI, em 1537 pelos jesuítas, apresenta um bom estado de conservação, tendo por peças importantes o batistério e a imagem de Nossa Senhora de Santana. Em estilo neoclássico, fica no povoado do Rio do Engenho, 20 km ao sudoeste de Ilhéus, em terras que eram da Sesmaria dos Jesuítas, onde vicejou um extenso canavial. Está tombada pelo IPHAN e é considerada a 3a Igreja mais antiga do país.

A primeira missão Jesuíta desembarcou na Bahia com Tomé de Sousa, chefiada pelo padre Manuel da Nóbrega, enviando a Ilhéus o padre Leonardo Nunes e o irmão Diogo Jácome, e em 1° de novembro de 1549 o padre Nóbrega veio pessoalmente visitar a vila de São Jorge dos Ilhéus, tempo em que começava a cateczação, edificação de casas, templos, escolas e aldeias.

Capela de Nossa Senhora das Vitórias localizada no Alto de Teresópolis é uma das mais antigas do Brasil, construída na primeira metade do século XVI. Parcialmente destruída por um incêndio em 1887, sofreu uma brutal reedificação em 1905 que alterou o seu desenho original. Todavia em 1970 teve nova restauração que procurou obedecer às linhas da primeira arquitetura.
O loco-Tenente Francisco Romero acumulava os cargos ainda de Jurista e Ouvidor da donataria, sendo ele homem grosso e de pouca cultura, entrou em desacordo com os colonos em 1551 causando revolta e sua deportação para Portugal, ficando encarcerado por dias no Limoeiro. Figueiredo Correia o encorajou e o mandou de volta a Capitania com os mesmos poderes, enervando ainda mais os colonos, permanecendo no poder até a morte do 1° donatário da Capitania dos Ilhéus Jorge Figueiredo Correia em setembro de 1551.
Em vida Figueiredo Correia fez doação de várias sesmarias de terras, de acordo com o Foral e Carta de doação: a Fernão Álvares, funcionário da casa da Índia, a Mém de Sá, futuro governador geral do Brasil e ao fidalgo Florentino Lucas Giraldes, domiciliado em Lisboa. Datada de 1537 e com a escritura de 19 de março de 1544 a sesmaria de Mém de Sá tinha 12 léguas, desde o Rio de Contas até Tinharé, dos quais Mém de Sá fez doação, em 17 de janeiro de 1563, ao colégio dos Jesuítas da Bahia, a qual ficou para si apenas duas léguas no Camamu. A sesmaria de Lucas Giraldes data de 26 de março de 1547, o qual deu ao banqueiro totais poderes sobre sua jurisdição territorial.
O segundo donatário foi o filho de Figueiredo Correia, Jerônimo de Alarcão de Figueiredo, o qual não veio ao Brasil, mandando em seu nome, Francisco Lopes Raposo, sendo logo deposto pelo governador Tomé de Sousa em 1552, colocando em seu lugar o fidalgo de Cota D’Armas, João Gonçalves Drummond, escrevendo ao Rei D. João sobre a importância de os donatários viverem em suas Capitanias, afirmando ainda ser Ilhéus a mais produtiva Capitânia do Brasil.
Em 1552 chega a Salvador o 1° Bispo do Brasil, D.Pedro Fernandes Sardinha, criando a Paróquia dos Ilhéus, denominada ”Freguesia da Invenção da Santa Cruz da vila de Ilhéus”.

Igreja Matriz de São Jorge dos Ilhéus inaugurada em 1556. Foi construída com pedras de cantaria e atualmente é a Igreja mais antiga do centro de Ilhéus. Sofreu diversas reformas através dos séculos, porém conservou seu estilo primitivo. Aí funciona o Museu de Arte Sacra de Ilhéus que guarda uma imagem secular de São Jorge, valiosas peças sacras dos Séculos XVI, XVII e XVIII e um painel da história de Ilhéus. Localizada na Rua Conselheiro Dantas, Centro.

Em 1557, com a prosperidade da Capitania, a Coroa, em 25 de março isenta o açúcar do pagamento dos impostos alfandegários, a produção dos quatro engenhos Ilhéus foi recorde.
Em 1559, após os colonos matarem dois índios injustamente, os Tupiniquins revidaram matando três homens a caminho de Porto Seguro e invadiram uma roça. Ao passarem pelo engenho de São João onde se encontrava Tomaz Alegre, os moradores evacuaram a fazenda com medo, a notícia circulou rapidamente e os demais engenhos em pânico esvaziaram-se, todos os colonos e escravos, num total de mais de mil pessoas se amotinaram na vila de São Jorge. Os índios aproveitaram o medo que os brancos cultivaram e destruíram os quatro engenhos, roubaram fazendas, mataram e comeram o gado, encurralaram a população na vila, sem comida e poder de fogo para enfrentá-los. Veio em socorro Mém de Sá que desde 3 de janeiro de 1558 assumira o governo geral de Brasil, trazendo alguns cristãos catecúmenos dos Jesuítas e outros índios aliados. Com munição, mantimentos e homens, dentre eles Vasco Rodrigues Caldas, já experimentado na luta contra indígenas no Recôncavo. Ao saberem da chegada de Mém de Sá, os Tupiniquins evacuaram o cerco a vila e concentraram-se a seis léguas da vila. Mém de Sá os perseguiu por 30 dias de guerra implacável, queimando aldeias e os cercando no sentido interior para o litoral, onde se passou a mais sangrenta parte desse episódio da história de Ilhéus, a ”Batalha dos Nadadores” onde os colonizadores massacraram os Tupiniquins em pleno mar a duas léguas da praia, juntando-se os corpos lado a lado na praia do Cururupe chegou-se a uma légua.
Com a destruição dos engenhos e desmonte da vila, Jerônimo de Figueiredo vendeu a Capitania ao Banqueiro e já sesmario dessas terras, Lucas Giraldes, por 4.825 cruzados, com o Alvará de 1°outubro de 1560 e apostila do dia 18, assinada a 6 de novembro a Escritura Pública e em 20 de janeiro de 1561, expediu a Coroa portuguesa em favor de Lucas Giraldes e seus descendentes.

Lucas Giraldes nomeou seu Loco-Tenente Baltazar Ferreira Gaivoto, e empregou grande quantidade de dinheiro, recuperando os engenhos queimados pelos Tupiniquins e construindo outros, chegando Ilhéus a possuir 9 engenhos, sendo o mais famoso e produtivo o de Santana, de propriedade de Mém de Sá, com safras de 14 mil arrobas de açúcar, essa foi a fase mais rica e de bem-estar da Capitania nos três séculos de vida colonial. Mas o donatário não via a cor do lucro, os seus prepostos desviavam o dinheiro, chegando a um deles, o Tomaz Alegre, estabelecer engenho próprio no Recôncavo baiano.
Em 1562 uma epidemia de varíola trazida pela nau que aqui aportou, espalhando-se pelas aldeias, povoados litorâneos e no interior do Brasil, agravando-se em 1563, matando entre Ilhéus e Pernambuco, só na aldeia de N.S. da Assunção de Tapepitanga, fundada em 1561 pelos Jesuítas próximo a Camamu, morreram 1008 pessoas, sendo mortos em terras baianas mais de 30.000 pessoas.
Em 1563 dá início a construção da ”Casa” ou ”residência” dos Jesuítas, com a igreja consagrada à N.S. Da Assunção, que já era padroeira do Camamu e festejada a 15 de agosto, acabando com a vinda de meros missionários, fixando os Jesuítas a Capitania dos Ilhéus, antiga reivindicação de seu povo, em 1564 seus cômodos já estavam em ponto de serem usados, mas só em 1572 estava a obra totalmente concluída, alocada na chapada do Outeiro de Santo Antônio(depois S. Sebastião). Em 1723, os padres da Companhia de Jesus inauguraram o grande e sólido colégio sobre cujos alicerces encontram-se nos dias atuais a Prefeitura Municipal, conhecido como Palácio Paranaguá, na praça J.J. Seabra, data-se também do começo do século XVIII a nova matriz de São Jorge, construída no mesmo local onde se encontra hoje.
A vila começa a ser construída na baixada ou vale que localiza-se hoje todo o centro da cidade, passando o morro de Santo Antônio a se chamar morro da ”vila velha” ou da ”matriz velha” sendo substituído mais tarde por outeiro de São Sebastião.
Em 1564, foi fundada a Santa Casa de Misericórdia de Ilhéus, sendo pioneira no Brasil, sendo extinta anos mais tarde e só ressurgindo em 1913, por iniciativa do Coronel Antônio Pessoa da Costa Silva, seu primeiro provedor, hoje(2002) a Santa Casa engloba a Maternidade Santa Helena e o Hospital São José, seu provedor é o Dr. José Lourenço e localiza-se na Ladeira da Vitória no centro da cidade.
Em 21 de agosto de 1565 os índios Aimorés, aborígenes mais bravios do território brasileiro, chegam a Capitania dos Ilhéus, após serem expulsos da Capitania de Porto Seguro, nômades, viviam mata a dentro sem aldeias, vivendo da caça e ataques esporádicos aos brancos no litoral, invencíveis das florestas, arqueiros exímios não perdiam uma só flechada, segundo José de Anchieta, e ao serem capturados, não comiam até a morte, com o isolamento imposto por estes índios ao cercarem a vila, a Capitania novamente empobreceu, pois o medo afastou os colonos e escravos das lavouras de cana-de-açúcar e conseqüentemente dos engenhos.
Em 13 de dezembro de 1565 morre em Lisboa, Lucas Giraldes, tomando posse seu filho, Francisco Giraldes, em carta de confirmação de 10 de agosto de 1566, ano em que a Coroa Portuguesa acelera a importação de escravos africanos para o Brasil.
Durante a época em que Francisco Giraldes exercia a donataria da Capitania (25 anos), os Aimorés rumaram ao norte, onde continuaram atacando mesmo com menor veemência Camamu e Tinharé, rumo ao Recôncavo baiano.
Em 1570 a Capitania contava com 8 engenhos e ainda a mais abonada de mantimentos da nova terra Portuguesa, com cerca de mil habitantes entre colonos e escravos, segundo o Barão do Rio Branco.
O Loco-Tenente de Francisco Giraldes, Luís Alvares Espinha, filho de Henrique Espinha, organizou uma entrada de 30 léguas para caçar e aprisionar os índios, estes trazidos para trabalharem nos engenhos, em sua maioria para o engenho de Luís Espinha, localizado em 1587 as margens da lagoa do Itaípe (Lagoa Encantada), a qual nos relatos de Frei Vicente do Salvador e Gabriel Soares, encontrava-se arraias, peixes do mar e o peixe boi.
Em 1583, a Capitania passa por uma das piores fases, pois a Dinastia Filipina ou domínio da Espanha sobre Portugal e conseqüentemente o Brasil, segundo Fernão Cardim, Cristovão de Gouveia e José de Anchieta, mesmo com todos os mantimentos, vacas, algodão e três engenhos, os Aimorés acossavam a vila, e sua população caiu para 750 habitantes entre colonos e escravos.
Em carta de 9 de março de 1588, Felipe II nomeou o então donatário de Ilhéus, Francisco Giraldes, para suceder ao governador Manuel Teles Barreto, que morrera no ano de 1587, Lucas partiu de Lisboa no galeão São Lucas, para tomar posse de governador Geral do Brasil, mas após um ano e meio de navegação voltou à metrópole portuguesa, no fim de setembro de 1589, sem nunca ter chegado a América do Sul, vindo a falecer logo depois.
Sucedeu a donataria da Capitania sua filha ,D. Maria Giraldes, casada com Francisco de Sá de Meneses, tempo em que a Capitania piora sua situação econômica, forçando aos colonos evacuarem para outras localidades, além do ataque dos Aimorés, os ataques estrangeiros de Franceses e Holandeses prejudicaram ainda mais as frágeis investidas econômicas do fim desse século.

 

 

SÉCULO XVII

 

 

Esse Século é marcado pela pior fase da Capitania, em 1615 D.João de Castro e sua mulher, D.Juliana de Sousa, filha de Nicolau Giraldes, promovem uma ação judicial contra Francisco de Sá Meneses e sua esposa, D.Maria Giraldes, em cobrança de divida de Lucas Giraldes. Após vários recursos, foi a leilão na praça do Pelourinho Velho, em Lisboa, a 4 de junho de 1620, a Capitania de Ilhéus, com a vila de São Jorge e todo o seu território, arrematada por 17.000 cruzados. D.Juliana faleceu no correr do processo, ficando a donataria sua filha menor de idade, Helena de Castro, sendo assim a 6ª donataria da Capitania. Veio a casar-se com o 2° Conde de Castro Daire, 6° Conde de Castanheira e 1°Marquês de Colares, Jerônimo de Ataíde. Nesta fase foi restaurado o engenho de Santana, o qual após a morte da Condessa de Linhares passou a pertencer aos Jesuítas, esses expulsos em 1760, passando o engenho para o Marquês de Barbacena, Marechal Felisberto Caldeira Brant Pontes.
Mesmo sendo a de melhor terra e águas, com plantação de diversas culturas, gado, porcos, Pau-Brasil, constantemente atacada por Aimorés, a Capitania outrora lisonjeada com a celebre frase ‘”O Brasil é um ovo e Ilhéus é a gema” , mas sem recursos veio a cair no descaso, pobreza e miséria no que se refere ao século XVII.

Capela Nossa Senhora de Lourdes situada no cimo do Outeiro de São Sebastião, é uma das mais simples construções do município, caracterizada por uma visão ampla da cidade.

 

 

SÉCULO XVIII

 

O Século XVIII, período da História do Brasil marcado pelas expedições Bandeirantes e busca pelo ouro e pedras preciosas no interior de nosso território, em Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás, levando ao despovoamento do litoral.

Igreja de Nossa Senhora da Escada situada em Olivença a 18 km do centro de Ilhéus, foi construída pelos jesuítas no ano de 1700, em aldeamento indígena com desenho em estilo colonial. Tem por atrativo principal a imagem de Nossa Senhora da Escada, de traços barrocos.
Morre D. Helena de Castro, passando assim a Capitania para D.Ana de Lima e Ataide, 7ªCondessa de Castanheira e em seguida para o Almirante de Portugual, D.Luís Inocêncio de Castro, sucedido por D.Ana Maria de Ataíde e Castro, vice-comendadora do Real Mosteiro de N.S. Da Encarnação e Ordem Militar de São Bento de Aviz, e por fim, para o 15°Almirante de Portugual, D.Antônio José de Castro, que trocou a donataria em 1754 pelo título de Conde de Rezende e mais uma pensão anual de 5000 cruzados,passando a Capitania a Coroa Portuguesa, assim constituindo uma Comarca ou Ouvidoria.
Em 30 de maio de 1784, os Juízes e Vereadores do Senado e Capitania dos Ilhéus do governo Ultramariano da cidade da Bahia, relatam ao Rei D.João, a pobreza e miséria da Capitania dos Ilhéus, que sobreviveu da cultura da mandioca.
A maior importância desse século na História econômica foi o plantio das primeiras mudas de cacau no território de Ilhéus, segundo informações do padre Jesuíta Joaquim da Silva Tavares, plantadas na Fazenda ‘Cubículo’, à margem direita do Rio Pardo(atual município de Canavieiras) em 1746, por Antônio Dias Ribeiro, recebidas do Pará por Luís Frederico Warneaux, chegando nas terras próximas a vila em 1752 e introduzido em várias sesmarias a partir de 1780.
A Majestade Real, D.Maria I, criou uma carta Régia, para incrementar e fomentar a cultura do cacau na Comarca de Ilhéus, estipulando preço mínimo para o produto, muitos plantaram e muitos outros não, ficando o cacau no final do século XVIII apenas como experimento econômico, sendo exportado em 15 de maio de 1798 pelo barco ‘Vai Hoje’ com destino a Lisboa seis sacos de cacau, primeiro registro de exportação dos frutos de ouro da Ouvidoria de Ilhéus.

 

 

SÉCULO XIX

 

Com as visitas estrangeiras nesse século, e seus relatos, diz-se que a inércia dos colonos, acostumados com pouca coisa e esses de baixo calão, dentre os quais marinheiros, carregadores e lavradores, a Comarca encontrava-se destruída e pobre. Dentre os visitantes estão: o Príncipe Maximiliano de Wied (1817), Monchez (1857), o Arquiduque Fernando Maximiliano D’Áustria (1860).
Em 1810 foi aberta a estrada Ilhéus-Vila de Conquista por custo do Marquês de Barbacena, Felisberto Caldeira Brant, numa extensão de 42 léguas.
Em 1818 o engenho de Santana, a despeito da situação de holocausto do resto da Comarca, produzia 10 mil arrobas de açúcar, na sesmaria do Almada, de propriedade dos batalhadores alemães Pedro Weyll e Saueracrer e circunvizinhança com o Srs Schmid e Borell em Castelo Novo e Colônia Luisia, o trabalho nas lavouras continuava a todo vapor. O povoado de Ferradas tinha 8 casas e uma igreja de taipa, onde residiam índios Guerens e Camacãns.
Em 1823 chega a Ilhéus o navio vindo da Alemanha, Ana Luiza, com 161 empreendedores da labuta, ferreiros, padeiros, relojoeiros, alfaiates, carpinteiros e maquinistas, bancados por Pedro Weyll e seu sócio Saueracker, reforçando os já chegados em 1822, estabeleceram-se na sesmaria do Almada, vindo tempos depois a instalarem-se na vila de São Jorge.
A Câmara Municipal de Ilhéus, enviou representação ao Imperador D.Pedro I, em favor dos estrangeiros alemães, a qual foi enviada à Assembléia Legislativa Constituinte, a qual consignou-se a quantia de 4:384$300, para no espaço de dois anos, suprir-se cada um indivíduo com uma diária de 170 réis, e a cada chefe de família uma diária de 300 réis, no primeiro ano,e metade de tal quantia, no segundo ano. Ainda como providências urgentes, a derrubada de matas e preparo de roças à margem esquerda do Rio Cachoeira, três a quatro léguas da vila, fundando a fazenda Vitória, visitada pelo Arquiduque Maximiliano D’Áustria e mais tarde Imperador do México, em janeiro de 1860, desenvolvendo-se ali o celeiro da cultura do cacau.
Juntando-se aos alemães, os colonos espanhóis, que anteriormente plantaram café, acreditaram na cultura do cacau e alavancaram o ciclo dos frutos de ouro.
As primeiras estradas carroçáveis para a descida do gado e escoamento da produção, bem como a ligação entre a vila e o interior, foram abertas, dando um enorme passo no povoamento da Comarca.
Em 1880 a exportação de cacau chega a 27.811 sacos de 60kg na Bahia.
Em 1831 a única fonte pública era a ”Fonte da Cruz”, localizada onde hoje é a rua frontal ao IME – centro.
Em 1861 começou a ser povoado o Sítio ou vila de tabocas, onde hoje é Itabuna, por pessoas vindas do sertão baiano e de Sergipe.
Em agosto de 1863 foi constatada a primeira fraude eleitoral. No dia do pleito para a escolha de Senadores e Deputados, o Juiz de Paz suspendeu os trabalhos alegando sumiço do livro de Ata ou Qualificação que era guardado na Câmara Municipal. Dias depois o Diário da Bahia publicava o resultado das eleições que o juiz tinha feito em sua casa, a bico de pena.
Em 28 de março de 1876 foi inaugurada a Estação Telegráfica de Ilhéus.
O início da comemoração do Carnaval em Ilhéus data da segunda metade do Século XIX.
Emancipação Política de Ilhéus- Em sintonia com o progresso vistoso na vila e em toda a Comarca, o Deputado Cônego Manuel Teodolindo Ferreira (nome do Palácio da Câmara Municipal de Ilhéus), apresentou projeto na Assembléia Provincial, em sessão de 4 de junho de 1881, para a elevação da vila a cidade, subscrito ainda pelos Parlamentares:Vigário João Alves da Silva Paranhos, Coronel José Joaquim de Almeida, Vigário Luís da Costa Batista, Dr.Virgílio Cesar de Carvalho, Elpídio da Silva Braúna, Dr. Euclides Alves Requião, Ten. Coronel Ápio Cláudio da Rocha Medrado e o Dr. Antônio Carneiro da Rocha, este defensor ferrenho do projeto, que mais tarde seria Ministro por duas vezes e senador dentre outros títulos importantes. Neste ano o Império estava sob brilhante situação liberal, chefiado pelo estadista baiano Conselheiro Antônio Saraiva e Presidida a nossa Província pelo Conselheiro João Lustosa da Cunha Paranaguá, 2° Marquês de Paranaguá. Debatido em 7 de junho o projeto foi referendado nas palavras do Deputado Carneiro da Rocha, falando de suas potencialidades e um número de 225 eleitores, considerando-a a sede do 6° distrito eleitoral e população de 6.700 habitantes. O projeto foi aprovado por unanimidade dos pares em 1ª e 2ª votações e redação final no dia 18 de junho e sancionada pelo presidente de Província João da Cunha Lustosa Paranaguá em 28 de junho de 1881, com o N° de Lei ou Resolução 2.187, registrada as folhas 213 do livro 10° de Leis e Resoluções da Assembléia Legislativa Provincial, sendo instalada a cidade no dia 14 de agosto de 1881.
Ainda havia escravos neste período, cerca de mil.
Ilhéus poderia ser elevada a categoria de cidade desde 1819, quando se cogitou da criação de um bispado, como não pode ter Bispo em vila, automaticamente a vila de São Jorge dos Ilhéus seria cidade. Mas, infelizmente a Bula Pontifícia ” Majus Animarum Bonun” que criou o bispado de Ilhéus só saiu em 1913. Foi primeiro Bispo de Ilhéus D.Manuel Antônio de Paiva, que após tomar uma série de medidas errôneas foi transferido e substituído por D.Eduardo José Herberold, a quem Ilhéus venera até hoje, seu corpo foi enterrado no interior da Catedral de São Sebastião, no centro da cidade.
Veio a Proclamação da República em 1889 e com ela o firmamento da lavoura cacaueira, chegando a exportar em 1890, 58.376 sacas de 60Kg.
Em 7 de setembro de 1890 foi inaugurado o serviço de Iluminação Pública a querosene, com a instalação de 40 lampiões Belgas montados sobre colunas de ferro.
Com o espalhar das notícias, sobre a riqueza rápida dos frutos de ouro, dá-se início a povoação maciça do já então Município de Ilhéus.
Em 25 de maio de 1891 Canavieiras se emancipa de Ilhéus.

 

SÉCULO XX

 

Palácio do Paranaguá (Sede da Prefeitura Municipal) Fundado em 22 de dezembro de 1907 na administração do Coronel Domingos Adami de Sá, localizado na praça J.J. Seabra. Antes da fundação da vila de São Jorge dos Ilhéus neste local existia uma aldeia indígena Tupi. Mais tarde nesta mesma área, os jesuítas construíram o seu colégio – “Casa Nossa Senhora do Socorro” quando os jesuítas foram expulsos do país em 1817 o antigo colégio servia de Câmara Municipal. O Coronel Domingos Adami de Sá iniciou a construção do atual Palácio Paranaguá em 22 de janeiro de 1898 após a demolição do antigo colégio. Construção em estilo neoclássico até hoje sede da Prefeitura Municipal de Ilhéus, sofreu algumas reformas, mas sempre conservando a sua forma original, no seu interior estão expostos móveis, quadros e esculturas conservados e pertencentes ao patrimônio municipal.

 

Estátua de Sapho única na América do Sul, colocada na praça J.J. Seabra em frente ao Palácio Paranaguá, esta estátua foi arrematada em leilão. Em estilo neoclássico, entalhada em mármore de Carrara no início do Século XX. Sapho foi uma poetisa grega, a primeira mulher registrada na história a lutar pelos direitos de igualdade entre homens e mulheres.

Grupo Escolar General Osório situado na Praça Castro Alves, Centro, foi inaugurado em 1915. Prédio projetado para servir de núcleo estudantil, quando a cidade de Ilhéus, em pleno apogeu do cacau constituía-se num dos grandes pólos de desenvolvimento do País.

Palacete Misael Tavares imponente prédio em estilo neoclássico, foi inaugurado em 1922 com um grande banquete ao qual compareceram as mais destacadas personalidades da gloriosa época dos coronéis do cacau. Localizado na Praça Rui Barbosa, hoje abriga a Loja Maçônica.

Convento e Igreja de Nossa Senhora da Piedade esse conjunto erguido em área urbana, é um belíssimo exemplar da arquitetura neogótica. O interior da Igreja é dotado de riquíssimo sacrário e na área do Convento funciona um colégio desde 1916, sob a direção das Irmãs Ursulinas. O Convento foi concluído em 1928 e domina uma das mais belas paisagens de Ilhéus. Hoje é também um local de realização de Congressos e Seminários. O conjunto fica na Rua Madre Thaís, no Alto da Piedade.

Avenida Antônio Lavigne de Lemos é uma bela Avenida, situada no centro da cidade. Conta com uma curiosidade por ter sido a primeira rua a ser calçada em Ilhéus, toda em pedra polida vinda diretamente da Europa. Registra a história, que é obra de um grande “coronel do cacau”, que realizou essa benfeitoria para que no casamento de sua filha, seus convidados não sujassem suas roupas de barro.

Casa de Cultura Jorge Amado construída no início da década de 20, pelo pai de Jorge Amado, a casa foi inaugurada aproximadamente em 1929. Com grandes salões e escadarias, a importância desta é que ali o escritor Jorge Amado passou parte de sua vida e escreveu o romance País do Carnaval. Mais tarde a casa foi vendida para outras famílias, vindo depois a ser utilizada como Faculdade de Direito de Ilhéus. Hoje a CASA DE CULTURA JORGE AMADO funciona como museu, contígua à Fundação Cultural, Academia de Letras e Instituto Histórico de Ilhéus. Fica na Rua Jorge Amado, nº 21.

Vesúvio desde a sua criação, o Vesúvio foi e continua sendo um dos locais mais freqüentados da cidade. Na época do coronelismo, os donos dos “Frutos de Ouro” – Cacau- costumavam ali encontrar-se para contar suas lutas e conquistas. – Funcionando na parte térrea do prédio desde a sua criação até os dias atuais, o bar que já teve diversos donos, conserva o seu estilo arquitetônico. O Vesúvio está instalado na Praça D. Eduardo, nº 190.

Bataclan o cabaré Bataclan foi durante muito tempo, o local predileto dos abastados senhores de cacau, nos tempos áureos em que a cacauicultura permitia a cidade de Ilhéus uma intensa e elevada vida noturna. No Bataclan funcionava um cassino e um salão para shows e dança, no qual constantemente havia apresentações de dois shows por noite. Ali costumavam apresentar-se companhias de dança do sul do País e até do exterior. As dançarinas e “damas de companhia” que ali frequentavam, estavam sempre muito bem vestidas e penteadas para melhor atender as exigências e bom gosto dos frequentadores da casa. A partir da proibição nacional do funcionamento dos cassinos, o Bataclan entrou em decadência não conseguindo manter o nível de alto luxo da casa apenas com bar e casa de dança.
Recuperada a casa cultural hoje é visitada por turistas onde revivem toda a história do tempo áureo da civilização cacaueira . Situada na Avenida 2 de Julho no coração histórico da cidade.

Termina a Fase de Intendentes de Ilhéus e Começa a dos Prefeitos. Governa de 1930 a 1937 o primeiro Prefeito de Ilhéus, Eusínio Lavigne, modificando o aspecto urbano da cidade, dando início a construção do Ginásio Municipal, atual IME, um dos pioneiros na luta pela construção do Porto de Ilhéus em mar aberto, abriu e aterrou a hoje Av. Canavieiras. No golpe de Estado de 10 de novembro de 1937, Dr. Eusínio Lavigne, foi pressionado por adversários políticos, por permitir propaganda em prol de São Paulo, feita por Dr. Fausto Penalva e Demóstenes Berbet de Castro e de não ter prendido o jovem de 25 anos, Jorge Amado, acusado de fazer propaganda comunista. O Prefeito Eusínio Lavigne foi preso e escoltado a Salvador onde permaneceu 4 meses em cárcere.
Em 1930 foi fundado o “Ilhéus Esporte Clube” e a “Liga Ilheense de Desportos Terrestres” filiando-se a Federação Baiana.
A antiga Fonte da Cruz e beco de João Rato, hoje a rua em frente ao IME-Centro, era nesta época a grande fornecedora de água potável para os moradores do centro de Ilhéus, onde muitas lavadeiras tiravam seu sustento.

Catedral São Sebastião sua construção foi iniciada em 1931 e concluída em 1967. É um templo em estilo neoclássico com vitrais artísticos, colunas e abóbadas sua imponente arquitetura é uma das principais atrações da cidade. Realizada todos os anos no dia 16 de janeiro a sua lavagem, o cortejo sai da sede do Sindicato dos Estivadores acompanhado por carroças ornamentadas, baianas típicas com jarros na cabeça e flores nas mãos, blocos afros e grande número de pessoas que seguem um roteiro até chegar a Catedral onde acontece a lavagem. Ali trios elétricos tocam para turistas e populares que cantam e dançam, enquanto as baianas lavam as escadarias da Catedral com “água de cheiro” trazida nas jarras.
Em 11 de março de 1931, o Secretário de Agricultura Inácio Tosta Filho, apresenta o Plano de criação do Instituto de Cacau da Bahia, dado ao problema e insatisfação dos produtores com a baixa do preço da arroba de cacau e o aumento da divida destes. O Decreto de n° 6.430 que cria o ICB é datado de 8 de junho de 1931.
Ainda em 1931 vieram se apresentar em Ilhéus as pianistas Elisah Pena e Maju Vital, O Soprano, Maria Carolina e a Norte Americana Little Esther com o seu ‘Breakaway Jazz’.
Em 1931 começa a ser construída a Catedral de São Sebastião.
Em 1932 o artista de cinema humorista, Will Rogers, esteve em Ilhéus, a caminho do Rio de Janeiro.
Em 29 de outubro de 1932, chegou a Ilhéus o vapor ‘Ituberá’ conduzindo soldados da Brigada Militar de Pernambuco e da Polícia baiana, que retornavam das frentes de combate de São Paulo. Desembarcaram para conhecer a cidade e embriagaram-se, fazendo grande baderna, foram reprimidos pelas patrulhas locais, numa troca de tiros de algumas horas, deixando um morto, dois feridos e dezessete presos.

Teatro Municipal inaugurado no ano de 1932 e reinaugurado em 1986 pelo então prefeito Jabes Ribeiro conservando a sua fachada original. Esse Teatro está localizado a praça Luiz Viana Filho ao lado da Catedral e do Bar Vesúvio. Ele tem capacidade para 475 pessoas e uma infra-estrutura das mais modernas do país.

Em 1933, visita Ilhéus o Interventor Federal do Estado, Tenente Juracy Magalhães, Nascido em Fortaleza, veio a ocupar o governo da Bahia nos anos de 1959 a 1963, foi Ministro do Governo Castelo Branco, nos postos de Justiça e Relações Exteriores. Foi o autor da célebre frase ‘O que é bom para os EUA é bom para o Brasil’. Morreu no dia 15 de maio de 2001 aos 95 anos.
A baixa do preço do cacau em 1933, dá início ao êxodo rural.
Ainda em 1933, o Prefeito Eusínio Lavigne, faz a inédita prestação de contas do Município em rede municipal de imprensa e edita o ‘Plano Diretor’ para a remodelação e expansão da cidade de Ilhéus, organizado pelos engenheiros, Manuel Da Rin e Arquimedes de Silveira Gonsalves.
Em novembro de 1933, três jovens dos Cabarés da cidade resolvem lançar, em plena rua D.Pedro II, às duas horas da tarde, a moda “Traje Único”, apresentada por Marlene Dietrich, em alguns filmes de cinema. Foi muito grande a repercussão do fato, entre prós e contras.
Em 1° de janeiro de 1934 a Viação Sul Baiano, subsidiária do Instituto de Cacau da Bahia, inaugura uma linha entre Ilhéus e Itabuna, para passageiros.
Em 1934 foi construído o acesso ao Vale do Lavadouro, hoje Av. Itabuna. Os bairros Pontal, com cerca de 4.000 pessoas e a conquista com cerca de 1.000 moradores, demonstravam a velocidade do progresso. Aqui já se tinha: Magazines de Luxo, Hotéis, teatros, cinemas, energia elétrica, ginásio e escola normal, raio x, bancos, bandas de música, clubes esportivos, jornais, cassinos, cabarés, tênis e box, transporte marítimo, aéreo e rodoviário, telégrafo e concurso de beleza.
Em 1935 o acesso ao porto tornava-se cada vez mais difícil, devido a falta de dragagem da barra, assoreada. Os navios tinham de esperar a alta da maré para tentarem passar, pois os bancos de areia encalhavam as embarcações.
Em 1935 a Prefeitura assina contrato com a Brasília-Film, para fazer uma nova película focalizando os principais aspectos de Ilhéus.
Em 1936 o cacau ganhou bom preço, o porto batia recorde de exportação e os produtores financiavam a construção da Catedral, a arrecadação Municipal foi a segunda maior do Estado.
De 1937 a 1938 assume a Prefeitura o filantropo Dr. Raimundo do Amaral Pacheco, nesse período em 30 de maio de 1937 é inaugurada a Cruzada do Bem pelo Bem e lançada a pedra fundamental do Ambulatório da Associação Santa Isabel das Senhoras de Caridade. Em junho do mesmo ano foi instalada a “Casa dos Mendigos” da Sociedade São Vicente de Paulo.
Em 1937 surgi no Brasil a União Nacional dos Estudantes (UNE), formada por alunos secundaristas, que desenvolveram manifestações, contra o capitalismo e a manipulação de massa.
Em 6 de agosto de 1938 foi fundada a Associação de Medicina e cirurgia de Ilhéus, tendo como 1° Presidente João Batista Soares Lopes.
O Dr. Raimundo do Amaral Pacheco e família eram donos da área onde hoje é a Cidade Nova e o Alto do Pacheco, vindo a doar os terrenos para a construção do Estádio Municipal, Praças, e o Hospital e Maternidade Santa Isabel, local este que conserva um Busto do Doutor.
O primeiro programa de calouros data de 15 de agosto de 1938, intitulado de ‘Broadcasting Urbano’ organizado por Luís Mário Paraguassu, sendo vencedores: Jasy, Levita e Louro, que foram julgados por: Demóstenes Berbert de Castro, Antônio Soares Lopes e Armante Veloso.
Nage Maron e Fred Gedeon, apresentam em 1938 o primeiro caminhão a gasogênio da região.
Em setembro de 1938 é reinaugurado o Ilhéus Hotel, com a nova Proprietária, Elvira Mendonça.
Em outubro de 1938 é inaugurada a Casa de Saúde São Jorge e o Ambulatório do Santa Isabel.
Em 1938 volta a comandar Ilhéus, Dr. Mário Pessoa da Costa e Silva, agora como Prefeito. Nesse período vários acontecimentos trágicos: O naufrágio do Itacaré, em 23 de agosto de 1939, na boca da barra do antigo porto, onde deságua o Rio Cachoeira, morre em Salvador o Bispo de Ilhéus D. Eduardo Herberhold.
Foi inaugurado em 1° de janeiro de 1939 o Ginásio Municipal de Educação (IME), construído pelo engenheiro Osório de Carvalho, que teve sua construção iniciada em 1935, também neste dia foi inaugurada a praça João Florêncio Gomes na Cidade Nova. Foi construído no ano de 1939 o Estádio Municipal, o qual leva o nome Mário Pessoa.
Em comemoração ao 58° aniversário de Emancipação Política de Ilhéus, foi inaugurado com a presença do engenheiro Roberto Pimentel, Diretor do Departamento de Aeronáutica Civil, o Aeroporto de Ilhéus. 1939.
Os carnavais nesta época eram realizados com mascarados pelas ruas centrais de Ilhéus e nos clubes, na segunda- feira ele partia na Maria fumaça para Água Preta (Uruçuca), onde a festa prosseguia com a mesma animação.
Em 15 de novembro de 1939 é inaugurada a nova cadeia pública.

 

Em 1940, Jorge Amado já famoso com a publicação de seus livros, visita Ilhéus onde é aclamado, anuncia o lançamento do livro “São Jorge dos Ilhéus”.
Em 1° de novembro de 1940 ocorre o acidente sem vítimas na baía do pontal, o choque do Hidroavião “Tupan” da “Condor”, contra o mastro do navio “Comandante Alcídio”, do Lloyd Brasileiro, que estava ancorado no cais, danificando um dos flutuadores do avião e atrasando a partida do navio para Salvador.
Em 4 de novembro de 1941 foi fundado o Rotary Clube de Ilhéus, tendo algumas personalidades da época como fundadores: Álvaro Melo Vieira, Heitor Dias Pereira, Arthur Leite da Silveira, Eduardo Catalão, Mario da Costa Pessoa, Milton Bastos Mendonça, Tácito de Sá Bittencourt Câmara, Idalício Berbert Carvalho, João Batista Soares Lopes, Deraldo José Bastos, dentre outros.
Em 17 de março de 1942 foi fundada a Cooperativa Central de Agricultores do Sul da Bahia, tendo como diretores: Eusínio Lavigne, Arthur Leite da Silveira e Antônio Vianna Dias da Silveira. Foram fundadores: Mário Almeida, Indalício Berbert Tavares, Osório de Carvalho, Adolfo Lima, Eduardo Catalão, Mário Paranhos, Elísio Nunes, José das Virgens, Pedro Gaston Lavigne Sobrinho, Antônio Sampaio Brito, Sinésio Celestino Chagas, João de Souza Bittencourt, João Silveira, dentre outros.
Em 23 de outubro de 1942 foi inaugurada a quadra de tênis do Clube Social de Ilhéus.
Em 10 de novembro de 1942, foi inaugurada a estátua do Cristo Redentor, na av. 2 de julho, projetada por Paschoal de Chirico,Italiano, e executada pelos arquitetos Valdemar Tavares e Salomão da Silveira, com altura de 8 metros, pedestal de rocha natural de 3 metros de altura, cabeça de 1,20 metro, e de mão a mão 7 metros e 50 centímetros.
Em 1943, governando em plena 2ª Guerra Mundial, Eunápio Peltier de Queiroz, quando foi instituído o ‘Black Out’ em Ilhéus, foi cortado o abastecimento de energia elétrica, para dificultar a visualização das cidades costeiras por inimigos de guerra.
Em 13 de janeiro de 1943, tem-se reunião dos cacauicultores na Associação Comercial, afim de fundarem uma Cooperativa para a manufatura do cacau.
Era Delegado de Polícia Henrique Cardoso da Silva, o qual transferiu o cargo em 20 de janeiro de 1943 a Eugênio Araújo.
No dia 14 de fevereiro de 1943 foi instala a escola de Pilotagem no Aero Clube de Ilhéus, que nesse dia recebeu três aeronaves vindas de Salvador, uma delas pilotada por Helena Pimentel, 23 alunos fizeram parte da 1ª turma para tirar o “Brevet”.
Em 6 de abril de 1943, Antônio Sá Pereira da Silva Moreira, funda a Sociedade José de Anchieta, a qual chegou a sustentar 26 escolas para crianças carentes de Ilhéus.
Com o advento da 2ª guerra Mundial , Ilhéus sofreu grandes conseqüências, ficando a produção de cacau encalhada nos armazéns chegando a 200 mil sacos, os navios não ancoravam, o racionamento de combustível fazia parar a Viação Sul Baiano, o preço e a escassez dos alimentos aumentava aceleradamente.
Em 7 de setembro de 1944, o prefeito Eunápio Peltier, inaugura a Av. Conquista, a fita inaugural foi cortada pelo morador, Artur Ferreira França.
O porto continua fechado, e os passageiros do “Aragipe” foram obrigados a desembarcarem em escalares na praia do Malhado, pois o navio não conseguiu entrar na barra dos Ilhéus, devido ao assoreamento desta.
Em 1945 são criados os diretórios dos partidos políticos: UDN, PSD e PTB.
Em 24 de julho de 1945 foi criada a Associação Rural de Ilhéus, tendo como primeiro presidente, Álvaro Melo Vieira.
Em 15 de julho de 1945, um ônibus da empresa ETUL, realiza viagem experimental entre Ilhéus e Salvador, afim de instalar uma linha regular entre as duas cidades.
Em 1946 assume a Prefeitura, Álvaro Melo Vieira, um dos maiores Educadores do Município, fundador do CEAMEV.
Em 2 de março de 1947, foi inaugurada a gruta de N.S de Lurdes, ao lado da igreja de São Jorge. O ato foi benzido com a água vinda da fonte milagrosa da Santa na França, recebida pelo Bispo D.Benedito Zorzi, da Madre Thaís, superiora do convento N.S. da Piedade.
O novo e atual Farol do morro de Pernambuco, data de 23 de abril de 1947, todo de cimento e com iluminação automática.
De 1948 a 1951 toma posse Artur Leite da Silveira, desapropriando imensas áreas de terra para a expansão da cidade, calçando diversas ruas, como: Av. Visconde de Mauá, Rua 7 de Setembro, Ana Nery, Joana Angélica, Praça Cairu, dentre outras, obras também foram feitas nos distritos e a construção de casas populares.
Em 1948, é fundado o Colo Colo de Futebol e Regatas.
Em 17 de setembro de 1950, o candidato a Presidência da República, Brigadeiro Eduardo Gomes, enfatizou a necessidade da construção de um novo porto para o escoamento da produção do cacau.
Em 3 de outubro de 1950 realiza-se eleições nacionais para todos os cargos, sendo mais votados em Ilhéus: Presidente – Getúlio Vargas, Governador – Regis Pacheco, Senador – Landulfo Alves e para Prefeito Pedro Vilas Boas Catalão.
Assumi de 1951 a 1955, Pedro Catalão, construindo e abrindo estradas, construiu o único viaduto da cidade até hoje, que leva o seu nome e liga o bairro da Conquista ao bairro do Teresópolis. Morreu Pedro Catalão no Rio de Janeiro, em abril de 2001, aos 92 anos.
Em 1951, a energia elétrica produzida na usina do Almada não supria a necessidade do município, assim foi instituído o “apagão” ou rodízio na cidade. O Secretário de Viação do Estado, Eunápio Peltier de Queiroz, idealizou o aproveitamento da cachoeira do Funil, no Rio de Contas e encaminhou o projeto ao governador Regis Pacheco, para construção da nova hidroelétrica, capaz de assegurar o fornecimento para todas as cidades do sul da Bahia. No dia 22 de junho 1951 chegam pelo navio “Loyde Colômbia” os motores adquiridos pelo serviço Municipal de Luz e Força , para a instalação da usina termoelétrica do Malhado.
Em 11 de outubro de 1951 é inaugurada a Maternidade Santa Isabel,Com a presença da 1ª dama do Estado, Ana Eurina Pacheco Pereira.
Em 17 de Maio de 1952 foi inaugurada a Usina Termoelétrica do Malhado, pondo fim ao rodízio de Energia Elétrica na cidade.
Em 1951, o Deputado Federal, Ramiro Berbert de Castro, Fala pessoalmente com o Presidente Getúlio Vargas, sobre a construção da ponte Ilhéus-Pontal, antiga reivindicação do povo ilheense, o próprio Getúlio ao desembarcar no aeroporto de Ilhéus em 1950, quando em campanha, respondeu ao povo sobre esse pedido, “façam-me a ponte para o Catete e eu farei a ponte Ilhéus-Pontal”. A mesma só começou a ser construída em 1961, mesmo tendo esmagadora votação o Sr. Vargas aqui. Morreu em 1954 sem cumprir a promessa.
Em 7 de fevereiro de 1953, morre Bento Berilo, grande empreendedor da região, como a estrada de ferro Ilhéus- Conquista e a Companhia Industrial, Concessionária do porto.
Em fevereiro de 1953, a região recebe a visita do Fisiologista Vegetal do Instituto Interamericano de Ciências Agrícolas, Paulo Alvim. Afirmou a imprensa local que a região tinha tudo para recuperar o 1° lugar na produção mundial de cacau, devido a saúde da lavoura, pois naquela época aqui não tinha a terrível doença “Vassoura de Bruxa”, encontrada em outras regiões produtoras do mundo. Hoje esse especialista vegetal, reside em Ilhéus, no bairro do Pacheco.
Em 28 de junho de 1953 é fundado o Instituto Histórico de Ilhéus.
Em 1° de agosto de 1954 um grave acidente ocorre no Km 20 da estrada de ferro entre Ilhéus e Uruçuca, na altura do distrito de Sambaituba, entre um ônibus carregando militantes do Partido Democrata Cristão e a locomotiva. Morreram no acidente o Vereador Jõao Batista da Silva e o escrivão de Paz do distrito de Aritaguá, Anísio Pereira da Silva, deixando vários feridos, dentre eles o Presidente da Câmara de Ilhéus, Domingos Rosa de Matos.
Em agosto de 1954 são emancipados os distritos de Itajuipe, Coaraci e Uruçuca.

 

Em 1955, volta a funcionar o porto para grandes cargueiros, após dragagem na barra dos Ilhéus, dando novas esperanças a região cacaueira.
Entre os meses de agosto e setembro de 1955, vieram a Ilhéus os candidatos a Presidência do Brasil: Juscelino Kubitschek, Milton Campos e Plínio Salgado.

De 1955 a 1959, foi chefe do Executivo, Herval Soledade, calçando ruas e incrementando o calendário de festas da cidade, grandes carnavais marcaram esse período.
Em 10 de setembro de 1955, um fato inusitado acontece nas imediações do porto, um cortejo chegado de canoa, para realizar um sepultamento no cemitério da Vitória, é surpreendido com a abertura da tampa do esquife pelo “ex-morto”, largando tudo e saindo em disparada. O morto-vivo, residente na av. Princesa Isabel, de nome Valdevino dos Santos, sacudiu a poeira do paletó e saiu andando tranquilamente.
No final de 1955 a Companhia de Comédias de Procópio Ferreira realizou uma temporada no Cine Teatro Ilhéus.
Em março de 1956 foi fundado o Lions Clube de Ilhéus, sendo seu primeiro presidente Osório de Carvalho.
Em 11 de Outubro de 1956, dada a crise que atravessa a região cacaueira, devido aos baixos preços do cacau, o Dep. Aziz Maron, Antônio Olimpio da Silva e Carlos Pereira Filho, entregam ao Presidente Juscelino Kubitschek, no Palácio do Catete, um Memorial contendo reivindicações dos produtores de cacau. Chegando no dia 31 de Outubro do mesmo ano a Ilhéus, o Ministro da Agricultura, Mário Meneghetti, para apurar as reivindicações dos produtores.
Após a luta de unificação da dívida dos produtores de cacau, chega a Ilhéus o Ministro da Fazenda , José Maria Alckmin, o qual presidiu o encontro na ACI no dia 1° de dezembro de 1956. Quatro meses depois chega a notícia do Rio de Janeiro afirmando serem aceitas as reivindicações dos produtores, sendo referendadas com grande euforia por todos.
Em fevereiro de 1957 é criada a CEPLAC, Comissão Executiva do Plano de Recuperação Econômico-Rural Lavoura Cacaueira, pelos Decretos n°40 987 e n°41 243.
Em 27 de maio de 1957 foi inaugurada Companhia Rádio Internacional do Brasil (Radional), ligando Ilhéus, por telefone, a diversas cidades brasileiras. A primeira ligação foi feita pelo Prefeito Herval Soledade para o Governador Antônio Balbino.
Em 1958 ampliou-se a luta pela construção do atual porto de Ilhéus, indo ao Rio de Janeiro, a Comissão Parlamentar encarregada de convencer o Presidente da República.
Em julho de 1958 o Brasil é pela primeira vez campeão Mundial de futebol, título comemorado aqui em Ilhéus, após dias com os ouvidos ligados nas rádios, o futebol já era uma paixão por aqui.
Em 16 de Março foi inaugurado o Edifício Econômico, na Rua Marquês de Paranaguá, onde funcionou o banco de mesmo nome tendo como primeiro gerente, Ariston Cardoso, e em 2001 o BBV.
Assume de 1959 a 1963, Dr. Henrique W. Cardoso e Silva, mudando quase que totalmente o aspecto urbano da cidade, com calçamento de ruas, construção e reforma de praças, construção do mercado municipal (Avenida 2 de Julho), apoio as festas populares. Nesse período foi fundada a Faculdade de Direito de Ilhéus.
Em 14 de março de 1959 é fundada a Academia de Letras de Ilhéus.
Em 9 de abril de 1959, explode e pega fogo, no porto o cargueiro “Urubatan”, que carregava na oportunidade asfalto para o DERBA, morreram 4 tripulantes e o navio foi totalmente destruído.
Em 30 de junho de 1959 reúnem-se em Ilhéus, no Edifício Bancrelar (em 2001 Cooperativa), 25 prefeitos, deputados Federais e Estaduais e Vereadores do Sul e Sudoeste baiano, afim de unificarem forças para resolução de problemas que afligiam toda a região, fazendo-se um instrumento de pressão forte frente aos governos Estadual e Federal.
Em 22 de agosto de 1959 o rebocador do Loyde Brasileiro que conduzia uma alvarenga transportando cacau para os navios ancorados pós barra dos Ilhéus, foi atirado pelas fortes ondas na pedra do Rapa, vindo a afundar, morrendo afogado o mestre José Antílio dos Santos.
Em 10 de dezembro de 1959, com a presença do engenheiro Humberto Beirute, do Departamento Nacional de Portos, rios e canais, foram iniciadas oficialmente a construção do espigão experimental do Porto do Malhado.
No final da década de 50 e início da de 60, aparece o primeiro aparelho de televisão em Ilhéus, tendo a sua primeira recepção assistida na praça da Catedral de São Sebastião, onde na oportunidade, segundo depoimento do Sr. Alberto Hoisel, não deu para se ver absolutamente nada.
Em 28 de março de 1960 chegou a Ilhéus uma caravana de escritores formada por: Barbosa Melo, Zora Seljan, Adonias Filho, Jorge Medauar, Dias da Costa, Osório Borba e Antônio Olinto, para participar do lançamento do livro “Obra Poética” de Sosígenis Costa, na Associação Comercial de Ilhéus.
Em 28 de junho de 1960, foram inauguradas as obras do Centro de Abastecimento da cidade (na av. 2 de julho), abrigo da praça José Marcelino, pavimentação da ladeira do Teresópolis e as praças D.Eduardo e Coronel Pessoa.
Visita Ilhéus em 19 de agosto de 1960 o escritor Jorge Amado e o amigo escritor e Filosofo Francês Jean Paul Sartre.
Em 29 de outubro de 1960 foi inaugurado o Cine Santa Clara, apresentando o filme “Os Dez Mandamentos”. Um dia depois foi inaugurado o edifício Santa Clara, de propriedade de Odilon Pompílio de Souza. Após uma década parado o Cine Santa Clara voltou a funcionar em dezembro de 2000.
Em 1961, o Governo Federal criou o Fundo do Cacau, uma taxa de retenção sobre as exportações do produto e derivados, através da Instrução n°204, da SUMOC, cujas as receitas deveriam ser canalizadas para o Programa da CEPLAC.
Em 1962 o escritor Nelson Gallo, administrador do aeroporto, vence o Concurso Instituído pela Academia de Letras de Ilhéus, sob o tema “Por que gosto de Ilhéus”.
Em Agosto de 1962, a Academia de Letras promove o Festival Regional de Cultura, com a presença da elite cultural, dentre eles Jorge Amado, Sosígenis Costa, Adonias Filho, Gumercindo Dórea e James Amado.
O Brasil é bi-campeão Mundial de Futebol, feito inédito por ser consecutivamente, Ilhéus comemora com carnaval nas ruas.
Em 1° de outubro de 1962, é inaugurada a Usina Hidroelétrica do Funil (Ubatã), acabando com os problemas de racionamento de energia.
De 1963 a 1967 volta a Prefeitura, Herval Soledade, apoiado pelo Governador da Bahia, Lomanto Junior, foram construídos 18 prédios públicos escolares, entre eles a escola Perpétua Marques, o Ginásio de Esportes que leva seu nome, esse período é marcado pela Revolução de 31 de março de 1964, onde alguns líderes Sindicais foram presos.
Visita Ilhéus em 30 de dezembro de 1963, o Embaixador dos EUA, Lincoln Gordon e sua família, vindo de carro próprio e dirigindo, convidado pelo Presidente do ICB, Antônio Viana, afirmando esta encantado com as belezas naturais de Ilhéus, vindo a banhar-se a noite em companhia do jornalista Arthur Brandão, na praia da Av. Soares Lopes.
O governo Lomanto Júnior inaugura em 31 de julho de 1963 a Central Automática da Companhia Telefônica Sulbaiana (TELESUL).
Entra em funcionamento o Terminal Marítimo da Petrobrás em 5 de março de 1964.
Em 2 de janeiro de 1965, em coquetel realizado no Britânia Hotel, foi lançado o “Guia Turístico do Cacau”, idealizado e editado por Arthur Brandão.
A Sub-delegacia Regional do Departamento de Polícia Federal foi instalada em Ilhéus no dia 17 de agosto de 1965, seu primeiro titular, Capitão José Marciel da Costa Irmão. Em 2002 o Departamento tem como Delegado o Sr. Rubens Paturi.
Em 18 de junho de 1966, a população comemorou o carnaval fora de época, por motivo da “Miss Ilhéus”, Florianael Costa Portela (Flori) ser eleita “Miss Bahia” em concurso realizado no Ginásio Antônio Balbino em Salvador. A “Miss Bahia” ganhou uma casa mobiliada, por proposição do vereador Ariston Cardoso em projeto de Lei do dia 20 de junho, autorizando o Prefeito a doar o imóvel, aprovado por unanimidade, inclusive com parecer favorável da Comissão de Finanças. Dia 28 chega a Ilhéus, Flori, no aeroporto é recebida por uma multidão, sendo acompanhada em cortejo até a sua casa no Bairro do Malhado.
Em 15 de agosto de 1966 é inaugurada a ponte Ilhéus Pontal com as presenças do Presidente do Brasil, Marechal Humberto Alencar Castelo Branco, O General Ernesto Geisel, Chefe da Casa Militar, Luís Viana Filho, Chefe da Casa Civil , Marechal Juarez Távora e o Gov. Lomanto Júnior. Na oportunidade foram visitadas as obras do Porto do Malhado e o Presidente Castelo Branco, recebeu o Título de “Cidadão Ilheense”, em solenidade no Palácio de Paranaguá, e o Gov. Lomanto Junior recebeu o Título de “Cidadão Benemérito” pela Câmara Municipal e seu busto na Av. Principal do Pontal, a qual leva seu nome bem como a ponte inaugurada neste dia. O início da construção da ponte data de setembro de 1965, tendo uma extensão de 330 metros.
De 1967 a 1969, o jovem Médico Nerival Rosa Barros, assume a Prefeitura, não sendo muito feliz, deixando o funcionalismo com salários atrasados e sendo preso em 1969 e enviado a Salvador, sendo libertado pouco depois, vindo a abandonar a política.
Assume em seu lugar, Dr.Afro de Barros Leal Neto, Presidente da Câmara de Vereadores, governando por 3 meses, pagando em dia os vencimentos dos funcionários. Liberou nesse curto tempo as áreas para a construção dos conjuntos habitacionais da Sapetinga e Jardim Savóia e pavimentou a rua Tobias Barreto na Cidade Nova.
É inaugurada a Catedral de São Sebastião, em 21 de setembro de 1967.
Em 15 de maio de 1968 foi fundada a Loja Maçônica Vigilância e Resistência de Ilhéus.
Em 7 de abril de 1969 é empossado, João Alfredo Amorim de Almeida, que ficou por pouco tempo no cargo, fazendo um grande legado de obras: pavimentação e acostamento de dezenas de ruas, construiu o restaurante “Velhos Marinheiros”, abril estradas, construiu quatro prédios escolares nos distritos e reformou cinco, instalou a Biblioteca Pública Municipal, ampliou a assistência Médica no interior instalando postos de saúde, levou Ilhéus a sediar pela 1ª vez os jogos do Interior em sua quinta edição, instalou o Mobral, diversos melhoramentos foram feitos no setor administrativo. Foi inaugurado o Hospital Regional Luís Viana Filho, no Bairro da Conquista.

 

Em 1970, são pavimentadas as Av. Canavieiras, Belmonte, 2 de Julho, Uberlândia e o trecho final da Soares Lopes, além das ruas da Cidade Nova, Pontalzinho, Alto de São Sebastião e Pontal.

Em 1970 as exportações de cacau bateram em 150 milhões de dólares, segundo item na pauta de exportações do Brasil.

Museu de Arte Sacra fundado em 1970, funciona no anexo da Igreja de São Jorge, sendo mantido pela Cúria Metropolitana. Abriga valiosas imagens barrocas, alfaias e documentos sacros. A Igreja de São Jorge localiza-se na Rua Antônio Lavigne de Lemos, Centro.
De 1971 a 1973 toma posse Edmon Darwich, que construiu o muro de contenção da orla do Pontal; Av. Princesa Isabel; Muralha de contenção da encosta localizada no centro da cidade onde acima encontra-se o Hospital São José, pavimentou ruas ,construiu escolas; melhorou a assistência médica e social através de unidades sanitárias. Nesse período foi inaugurada a primeira fase do Porto do Malhado, em 30 de novembro de 1971, com as presenças do Ministro dos Transportes, Coronel Mário David Andreazza, do Diretor Geral do DNPVN,Comandante Zaven Boghossian, do Gov. da Bahia, Antônio Carlos Magalhães, do Ex. Gov. Lomanto Júnior, do Almirante Linhares e do Prefeito Darwich.

Em 1973 assume o Bacharel em Direito Ariston Cardoso, com apoio do Gov. Estadual e Federal, alavancando grande progresso para Ilhéus. Funda-se a Central de Telex da Embratel; a nova estação de passageiros do Aeroporto; Estação Costeira da Embratel; aumento da pista do Aeroporto para pouso e decolagem de aviões a jato; asfaltamento da rodovia Ilhéus Uruçuca; inauguração do Fórum Epaminondas Berbert de Castro; ponte sobre o rio Fundão; calçadão da D.Pedro II e da Marquês de Paranaguá; construção de escadarias nos morros; abertura de ruas e calçamento de outras; entrega da segunda etapa da construção do Porto de Malhado, com a presença do Presidente da República Emílio Garrastazu Médici.

Assumiram Temporariamente o cargo de Prefeito, na condição de Presidente da Câmara de Vereadores ou escolhidos pelo próprio Poder Legislativo: Almir Brandão Pinto, Adolfo Lima, Eduardo Eurico de Siqueira, Tácito de Sá Bittencourt Câmara, Ariston Cardoso, Élio Batista Melo, Pedro Ribeiro Filho, Mário Alfredo dos Santos, Domingos Rosa de Matos, Ananias Dórea, José Lourenço da Fonseca e Silva, Ponciano de Novais Miranda, Amilton Inácio de Castro, Pedro Ferreira Lima, Luís Amaral Carneiro.

Assume em 1977, Antônio Olímpio Rehem da Silva e pela primeira vez um vice-Prefeito, Jaziel Martins de Almeida, conhecido como ”Bá”. Nesta fase é transferido o Mercado Municipal localizado na Avenida 2 de julho, para o bairro do Malhado, chamado de Central de Abastecimento, o qual se encontra nos dias atuais defasado em espaço, devido ao rápido crescimento da população acarretando em vários outros problemas. Foi construída a Rodoviária de Ilhéus, que permanece a mesma nos dias atuais, localizada no Km 0 da Rodovia Ilhéus-Itabuna, foram asfaltadas ruas, pavimentadas outras, criado os bairros da Barreira e Nelson Costa. O grande marco deste mandato foi à passagem do Centenário de Emancipação Política de Ilhéus (1881-1981), comemorado com grande glamour pela Administração Municipal e pelo povo.

Museu Regional do Cacau fundado em 1982, para guardar, preservar e divulgar a memória das comunidades regionais tem como acervo documentação, fotografias, objetos e obras de artistas plásticos da região. O museu permite uma visão detalhada do surgimento ao desenvolvimento do ciclo do cacau, de parte da vida de colonizadores e de habitantes indígenas. Encontra-se na Rua Eustáquio Bastos, no prédio do antigo Instituto do Cacau.

A Praça do Cacau abriga quase 100 tipos de cacaueiros de todo o mundo, representado a Cultura do Cacau no Brasil, na África e na Ásia. A praça reproduz de forma miniatura uma fazenda da Região. É uma das maiores curiosidades do turismo de Ilhéus por ser a única na América, existindo outra semelhante apenas na África.

 

Em 1982 acontece uma das eleições mais disputada e imprevisível da História de Ilhéus, quando o jovem de 29 anos, professor e Advogado, Jabes Sousa Ribeiro, vence os caciques da época, os grandes fazendeiros, Gumercindo Tavares, Oseías Gomes e Raimundo Sá Barreto (o Homem da bengala), é instalado em Ilhéus o Jabismo, a exemplo do início do século XX, quando aqui dominava o Pessoismo e o Adamismo.

Assume em 1983 a Prefeitura, Jabes Ribeiro, com o governo denominado ”Popular”, alavanca o progresso na cidade: asfalta ruas e avenidas, executa o calçamento de ruas em vários bairros e distritos, cria o Projeto Viva o Morro, onde os altos da cidade ganham saneamento básico, iluminação, escadarias, coleta diária de lixo; constrói a passarela que liga o Bairro da Barra ao Bairro São Miguel, constrói escolas e postos de saúde tanto na zona urbana quanto na zona rural, reconstrói o Cine Teatro Ilhéus, instala o Circo Folias de Gabriela, melhora o sistema de transporte coletivo, incentiva os esportes, da início ao projeto paisagístico da Av. Soares Lopes, assinado por Burle Max, constrói a Concha Acústica, aumenta o número de professores, melhora o carnaval e as festas populares para a captação do turismo, organiza a primeira Vaquejada das Praias, a Festa Nacional do Cacau , acontece o Circuito Baiano de MotoCross ao lado da Concha Acústica e no Bairro da Barreira, constrói praças e jardins sendo reformadas outras; implanta a doação de peixes na semana santa e frango no natal para as famílias carentes do município.

Em 1984 é inaugurado o Marco de Fundação no mirante que fica no Outeiro de São Sebastião, foi colocado o marco da Fundação da Vila de São Jorge durante a comemoração dos 450 anos da chegada do colonizador à região.
Esse mandato dinâmico de Jabes Ribeiro se dá devido à grande arrecadação, com o cacau em alta, população bem distribuída nas zonas rural e urbana e a sua grande força de vontade política. Seu mandato teve a duração de 6 anos, ficando até 1988.

Em 1988 elege-se para Prefeito de Ilhéus, o Deputado Estadual, João Lírio, aliado ao Jabismo, tendo um mandato tímido e opaco. Calçou ruas, deu manutenção das já existentes, tocou a cidade com lentidão e sem compromisso.

Em 1990, Jabes é eleito Deputado Federal, o qual em 1992 vota pelo impedimento do Presidente Fernando Collor de Melo em nome do povo de Ilhéus.

Nas eleições de 1992, Jabes Ribeiro lança candidato a Prefeito seu Irmão, Joabs Ribeiro, sendo seu oponente o Ex-Prefeito Antônio Olimpio, aliado de Antônio Carlos Magalhães. Vendo o não emplacamento de seu irmão, devido principalmente ao fraco governo do Sr. João Lírio, o Próprio Jabes candidata-se, vindo a perder pela primeira vez uma eleição.

Nos anos 80 aconteceram as Festas Nacional do Cacau, embaladas pela riqueza dos frutos de ouro. O carnaval tinha a participação das escolas de samba, destacando a Vermelho e branco, Verde e Branco e Amarelo e Branco, ainda os blocos de arrasto, destacando o Arrastão e Só o Amor Constrói. Neste período aconteceu o Gincagito, gincana que reunia todas as escolas de Ilhéus.

Em novembro de 1985 é instituída a Comenda do Mérito de São Jorge dos Ilhéus, destina-se a agraciar pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou internacionais, que tenha contribuído para o desenvolvimento do município de Ilhéus ou de seu povo; ou que, por mérito, se tenham tornado dignas do reconhecimento do poder Executivo Municipal.

Em 1986 a Seleção de Ilhéus de Futebol, sagrou-se campeã a frente de uma disputa de mais de 170 seleções de toda a Bahia.

Em 1987 é comprovada a presença da Vassoura de Bruxa na Região Cacaueira. Começa o declínio financeiro e o êxodo rural.

No final da década de 80, foram realizadas três edições do torneio de vôlei de praia Hollywood, no campo da ADEBI, na av. Soares Lopes, articulados pela FM Cidade.

No início dos anos 90, Ilhéus passa a dispor da mais nova e proveitosa tecnologia de todos os tempos, a informática passa a integrar o cotidiano dos ilheenses.

Em 1992 acontece o Coca-Cola Axé Fest, com três dias de shows na concha Acústica de Ilhéus, lançando nacionalmente a banda Skank. A organização foi de Marco Lessa , M 21.

Em 1993 assume a Prefeitura o Bacharel Antônio Olimpio pela segunda vez. Constrói a quadra poliesportiva do Pontal, na praça São João, urbaniza a orla do Pontal , Av. Lomanto Júnior, asfalta a Av. Litorânea norte e passa o carnaval a ser antecipado, dando um ar de privatização da festa com o aparecimento dos blocos de trio, organiza o São João e o transforma em grande festa no calendário do município. Saiu em 1996 devendo 4 meses ao funcionalismo Público e fornecedores Municipais.

Na década de 90, começa a ser realizado os carnavais antecipados, aparecem os blocos de trio elétrico, excelentes carnavais. Os blocos organizavam também festas de camisa, em datas especiais, época de grande fermentação dos agitos em Ilhéus.

Em 2 de novembro de 1992, morre o grande cabeleireiro, Gelber, filantropo, destaque das escolas de samba da cidade, fez durante 15 anos a cabeça das mulheres de Ilhéus. Outros mestres da tesoura: Léo, Jandira, Fláviu’s, Elias, Lucas, Val…

Em 1995, a telefonia móvel começa a funcionar em Ilhéus. Em 2001 mais de 10 mil usuários dispõem deste serviço, em 2005 mais de 70 mil usuários.

Após um Mandato displicente de Antônio Olímpio, volta a vencer as eleições em 1996, o Bel. Jabes Sousa Ribeiro, com uma vitória esmagadora de mais de 25 mil votos de frente sobre seu principal adversário o Dep.Federal Roland Lavigne.

Encontra uma situação bem diferente de seu primeiro mandato, contas atrasadas, funcionalismo insatisfeito, crise na lavoura cacaueira, devido ao aparecimento da Vassoura de Bruxa desde 1987, provocando o êxodo rural e o inchaço da zona urbana, acarretando problemas de moradia, ambientais, desemprego e conseqüentemente aumento da criminalidade, a cidade vertiginosamente encontrava-se em descaso.

Esse mandato delicado de Jabes faz com que alternativas e parcerias ajudem a Ilhéus voltar a crescer. Volta o Projeto Viva o Morro, escolas e postos de saúde são construídos na zona urbana e rural,cria-se os agentes comunitários de saúde; implantado o Programa Cesta Escola; Banco do Povo; Farmácia do Povo; enroncamento do Bairro São Miguel para a contenção da maré; orla da praia do norte com padronização das cabanas de praia e iluminação; construção do Centro de Convenções Luís Eduardo Magalhães; volta do Circo Folias de Gabriela; carnaval antecipado com blocos de trio e alternativos; criação da Universidade Livre do Mar e da Mata (MARAMATA)para a defesa do Meio Ambiente; Carnaval Cultural na data oficial; Cria a Casa de Cultura Jorge Amado; Bairro Universitário do Salobrinho; calçamento de várias ruas; construção da Clínica ,Halil Medauar, no Bairro da Conquista; criação dos serviços móveis de Saúde e Odontologia, implanta o Transporte Escolar Gratuito; reforma do Instituto Municipal de Educação; instalação de semáforos na cidade, sinalização horizontal e sinalização com placas por toda a cidade; Criação da Secretaria de Esportes; Casa dos Conselhos Municipais; estruturação da cidade para absolver a nova economia, o Turismo; criação do Festival do Camarão, Festival do Peixe na Lagoa Encantada, Ilhéus Forró, apóia as festas populares como: São Sebastião, Iemanjá, São Jorge e N.S. da Vitória; Reconstituição de fatos históricos da cidade a exemplo da ”Canoagem Rumo ao Mato Virgem” e na ”Trilha de Magali”; Projeto Pôr do Sol na Avenida Soares Lopes; Ilhéus Folia o carnaval antecipado; profissionalização de Mão-de-Obra; divulgação do potencial Eco turístico cultural do Município nos grandes pólos do País e Internacionalmente; implantação do Pólo de Informática; reforma e ampliação do Estádio Mário Pessoa(falta um placar eletrônico); cria o ”Quarteirão Jorge Amado”, circuito do centro Histórico da cidade; adéqua os gastos Municipais a Lei de Responsabilidade Fiscal; quebra do Monopólio dos transportes coletivos.

Em 1997 a Internet passa a agregar Ilhéus ao mundo.

Casa dos Artistas construída na Rua Jorge Amado nº  39 para residência do “Coronel” Adami de Sá no final do século passado, a casa também já abrigou o colégio Afonso de Carvalho. Adquirida mais tarde pela família Rhen da Silva que ali residiu, anos depois foi vendida a o suíço Hans Koella , grande apreciador e incentivador das artes. O suíço, junto com um grupo de artistas locais fundou a Casa dos Artistas. Ali estão expostos quadros, esculturas, painéis, vasos e outros trabalhos de arte. Para funcionar como Casa dos Artistas, algumas reformas foram feitas no seu interior, porém a fachada continua a mesma desde a sua construção. Composta de um salão para espetáculos, salas e mezanino onde são expostos trabalhos dos artistas, a Casa promove saraus, shows e diversos cursos entre os quais: Teoria Musical, violão, Interpretação teatral, Maquiagem, Caracterização Teatral e outros.

De 4 a 6 de junho de 1997, acontece a 10ª edição do Seminário de Marketing do Sul da Bahia, na UESC, com participação de 700 pessoas ligadas ao comércio, publicidade, turismo e educação. As palestras foram ministradas por: Daniel Godri,Pres. Da IBMV; Edilson Talarico, da ESPM; Luíz Levy, Paulo Cabral, SEBRAE; Angelo Pacheco, André Curvelo, Fernando Passos, Sidônio Palmeira, Ascânio Lemos, Ênio Carvalho e finalizando pelo ator paulista Augusto Gomes.

Em 19 de junho de 1997 é criada a Universidade Livre do Mar e da Mata, por Decreto de Lei Municipal n°2.600, com objetivo de preservar o Meio Ambiente conscientizando os cidadãos de um modo geral, incentivar o crescimento e desenvolvimento sustentável, sem agressão a natureza.

Em 27 de junho de 1997 é inaugurada a Casa de Cultura Jorge Amado, onde o escritor morou na adolescência e escreveu seu primeiro livro ” O País do Carnaval”, o próprio Jorge e a esposa Zélia Gattai se fizeram presentes, , o espaço oferece a História do Homenageado, salões para peças e oficinas, museu, sala de áudio e vídeo; uma escultura do artista Goca Moreno denominada ”São Jorge Amado” onde estão o escritor e Oxossi, demonstra o sincretismo de suas obras literárias. Ainda neste dia a Câmara Municipal Outorgou o ”Titulo de Cidadão Ilheense” a Jorge Amado.

É reinaugurado o Teatro Municipal de Ilhéus, em 10 de julho de 1997, fundado em 22 de dezembro de 1932 com a exibição do filme ”Honrarás tua Mãe” da Fox filmes, o teatro estava em abandono desde 1950, sendo reformado pela 1ª vez em 1986, com a abertura no dia 10 de julho com o balé ”Corpo” de Minas Gerais. Sua ocupação é de 425 lugares.

Em outubro de 1997 é realizada a campanha de saúde bucal, com atendimento de 1.500 crianças de 4 a 16 anos, numa parceria da ABO e Secretaria de Saúde de Ilhéus.

Em 30 de outubro de 1997 é inaugurado o Centro Odontológico do bairro Teotônio Vilela, Dr.Jaime Costa, atendendo a uma demanda de 20 mil moradores, está acoplado ao Centro Médico.

A MaraMata participa da II Conferência Nacional de Educação Ambiental, realizada em Brasília, de 7 a 10 de outubro de 1997, representada pela bióloga Márcia Virgínia Silva e Soane Nazaré.

Em 1° de novembro de 1997, aconteceu o 1° Movimento ”Ilhéus Cidade Cidadã”, onde a comunidade recebeu diversos serviços gratuitamente, na Av. Soares Lopes.

Em 2 de novembro de 1997, a peça ”Navalha na Carne”, estreou no TMI, pelo grupo Relativo de SSA.

”Cinema ao Ar Livre” apresenta em 5 de novembro de 1997, dia Nacional da Cultura, o filme ”Pixote a Lei do mais Fraco”, de direção de Hector Babenco. Desde o dia 10 de agosto, dada em que Jorge Amado completou 85 anos, o projeto de levar a cultura através do cinema ao povo vem sendo executado, com o início apresentando o filme Tieta de Caca Diegues, sempre no largo Cultural, em frente ao TMI.

Dia 11 de novembro de 1997, o cantor e compositor, Orlando Morais, fez show no TMI, no projeto Seis e Meia.

De 14 a 16 de novembro de 1997, o condomínio Sapetinga, no pontal, realiza festa em comemoração aos 25 anos de fundação, com grande programação religiosa e profana, além de competições esportivas e festival de artes e amostra de música.

No dia 12 de novembro de 1997, o Economista e escritor, Armando Avena, lança o livro ”O Afilhado de Gabo”, no auditório da CEPLAC.

De 12 a 14 de novembro de 1997, Ilhéus sedia o XIV Encontro de Entidades de Economistas do Nordeste, com o tema Desenvolvimento Sustentável, Desafio Nordestino, no auditório da CEPLAC.

Dias 15 e 16 de novembro de 1997, o Stúdio Marry Dance, apresentou o espetáculo ”New Iork com danças”, no TMI, com 58 alunas, ainda encenando ” Anunciando o Natal”, uma homenagem a bailarina Mônica Mendes.

De 12 a 20 de Novembro a comunidade de Olivença homenageia a N.S. da Escada, padroeira local, com novenas e atos culturais.

Dia 13 de novembro de 1997, o 36° Congresso do Sistema Check-Check, é realizado em Ilhéus, no hotel Cana Brava, com a presença de 240 congressistas.

De 19 a 21 de novembro de 1997, a MaraMata e a Fundaci, realizam seminário com o tema, ”O Mar na Prosa Brasileira de Ficção”, no auditório do Museu do Cacau. Na oportunidade o escritor Hélio Pólvora lança seu livro ”Um Pataxó em Chicago” em coquetel na Casa de Cultura Jorge Amado.

Dia 19 de novembro de 1997, o balé Afro Dilazense, apresenta no TMI, coreografias da dança afro moderna, contemporânea e primitiva, além das tradicionais do folclore baiano, com Manyna G’Leu e 12 bailarinos e direção de Marinho Rodrigues e Dino Rocha.

Dia 23 de novembro de 1997, acontece o II Encontro de Associações de Moradores de Ilhéus, no auditório da CEPLAC.

De 21 de novembro a 1ºde dezembro de 1997, acontece o Projeto Expolivro Árvore da Vida, na praça J.J. Seabra.

Dia 22 de novembro de 1997, os grupos de pagode, Sambágua e Gang do Samba, se apresentam no clube Social de Ilhéus.

O grupo Raga, do Rio de Janeiro, se apresenta no dia 24 de novembro de 1997 no TMI, com música e dança clássica da Índia, e o flamenco da Espanhã.

Dia 26 de novembro de 1997, os artistas regionais homenageiam ”Pixinguinha, 100 anos de choro tradicional”, em espetáculo no TMI.

De 2 a 4 de dezembro de 1997, acontece o Seminário ”Alternativas Agroindustriais Coco”, no auditório da CEPLAC.

No dia 1º de dezembro de 1997, dia mundial de prevenção a AIDS, foi realizada no Ginásio de Esportes Herval Soledade, a 1ª Campanha de Prevenção da doença em Ilhéus.

Em 07 de dezembro a comunidade de Banco da Vitória comemora o dia de N.S. da Conceição, padroeira do bairro.

Em 20 de Novembro de 1997, o chargista, Maurício Pestana, apresenta na galeria do Teatro Municipal, exposição com o tema, ”500 anos de Brasil e os Negros, como estão?”.

Em 18 de dezembro de 1997, Ilhéus recebe o Diploma de destaque em Ecoturismo, pela Sociedade Brasileira para a valorização do Meio Ambiente, no Rio de Janeiro, no Congresso e Exposição Mundial de Ecoturismo (WordEcotur/97).

Dias 27 e 28 de novembro de 1997, Ilhéus participa da II Conferência Estadual de Assistência Social, em Salvador, com representação escolhida em outubro de 1996, na I Conferência Estadual acontecida em Ilhéus no INSP: Rúbia Carvalho, Carlos Morais, Ana Ceres, Eliana Falcão e Luiz André Nogueira.

Dia 28 de novembro de 1997, o Ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), José Cândido, Inaugura a biblioteca jurídica da Justiça Federal, em Ilhéus e o posto da Caixa Econômica Federal, proferindo a palestra ” A Justiça Federal e a sua Competência”, no Forúm Epaminondas Berbet de Castro.

Em 28 e 29 de novembro de 1997, o bloco afro Mini-Congo comemora seus 17 anos de fundação com vasta programação festiva e esportiva, tendo ainda participação do Movimento Negro Unificado de Ilhéus (MNU).

Dia 30 de novembro de 1997, acontece o I Festival de Música Afro do Bloco Rastafary, na praça Santa Rita, no bairro da Conquista.

Dia 1º de dezembro de 1997, acontece o WorkShop sobre ”Política de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 21 Brasileira”, visando organizar a comissão da Agenda 21 em Ilhéus, no Palácio Paranaguá, com a presença de Juca Ferreira, membro da Executiva Nacional da Agenda 21. Criada em 1992 no Rio de Janeiro, na Conferência da ONU sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, em documento assinado por 170 Países.

Em 09 de dezembro de 1997, a Câmara de Vereadores aprova por 11 a 7 votos o Código Tributário do Município, inserindo a taxa de iluminação (TIL).

O Ballet Allegro, sob direção da coreógrafa Luciana Kruschewsky, apresenta os espetáculos ” Cenas de Ballet” e ” Os Opostos”, nos dias 13 e 14 de dezembro de 1997.

Dias 13 e 14 de dezembro de 1997, acontece o I Encontro Regional de Capoeira, promoção da academia Camarada Camaradinha, do mestre Ramiro, no Ginásio de Esportes Herval Soledade e praça Luís Viana.

Em 13 de dezembro de 1997, a cantora Cátia Guimmas, fez show no clube social de Ilhéus, festa do bloco Eva, com participação da banda Lordão.

Dia 15 de dezembro de 1997, o cantor e compositor, Fabiano Carillo, apresenta o show ”Sonoris Causa”, no TMI.

Em 15 de dezembro de 1997, é realizada a primeira etapa do Projeto Praia Limpa, estendendo-se por todo o litoral de Ilhéus durante o verão 97/98. Nesta data os ciclistas Marcos Barbosa e Afonso Miorasi, passam por Ilhéus com a campanha contra as drogas, realizada em 150 cidades do interior e 22 capitais brasileiras, atingindo 20 mil Km rodados.

Em 17 de dezembro de 1997, acontece o ”Encontro de Corais”, no TMI, com participação: Messiânico, Harmonia, Dom Eduardo e Vozes em Louvor.

Dia 18 de dezembro de 1997 se apresenta no TMI, o Conservatório de Música Schubert.

Em 19 de dezembro de 1997 é reinaugurada a Concha Acústica, com o show do compositor e cantor, Caetano Veloso.

Em 19 de dezembro de 1997, é inaugurada a VI Feira de Moda e Turismo em Ilhéus, na Av. Soares Lopes, com apoio do SEBRAE, BNB e Secretaria de Desenvolvimento Econômico Municipal. Essa feira consolidou-se como uma excelente alternativa comercial, turística e de entretenimento no município, com lojas, bares, apresentações de artistas, é visitada durante todo o período por milhares de turistas e munícipes.

Em 19 de dezembro de 1997 é lançado o primeiro Projeto Pôr do Sol, na Av. Soares Lopes, ao lado da Catedral, numa iniciativa da Sec. De Educação divisão de Esportes, com apresentações de academias, grupos de capoeira, dança, competições esportivas, shows e prêmios.

Nos dias 29 e 30 de novembro de 1997, o Ballet Carolina Câmara, apresenta o espetáculo ” O Castelo Mal Assombrado” com 120 bailarinos, no TMI.

Em dezembro de 1997, se apresentam na Concha Acústica de Ilhéus os grupos, É o Tchan e Skank.

O Reveillon 97/98 acontece em Ilhéus com grandiosas festas, transformando a cidade no maior referencial do Estado, sendo ocupado 100% da rede hoteleira, as bandas Asa de Águia, Eva, Cheiro de Amor, Pimenta Nativa, Gang Cidade, Lordão, Grafitte, Farol Blues Band, Som de Porão, Jeito Moreno, Molho Tropical, Gang do Samba e Ivete Sangalo, garantiram a animação da virada de ano. Os blocos, Galera e Borimbora proporcionaram a melhor qualidade nos eventos.

 

Os Transatlânticos: Costa Marina, Funchal e Rembrandt, desembarcaram 11 mil turistas no verão de 98 em Ilhéus.

Em janeiro de 1998 os artistas, Zé Ramalho, Edson Gomes, Titãs, Terra Samba, Kid Abelha e Lulu Santos, se apresentam na concha Acústica.

De janeiro a dezembro de 1998, a UESC, promove o curso de especialização em cenários e perspectivas do rádio e televisão na era da telemática.

Dia 12 de janeiro de 1998, o artista plástico, Carlínio França, expõe seus quadros na galeria do TMI.

No dia 17 de janeiro de 1998, é lançada a pedra fundamental da Universidade Livre do Mar e Mata, no bairro Nova Brasília (pontal), com a presença do prof. Antoaine Berberian, os jornalistas Edivaldo Boaventura e Samuel Celestino, do embaixador da Áustria no Brasil, Manfred Ortner. Na oportunidade foi lançada a cartilha ”Manguezal Vivo e Preservado”.

Dia 17 de janeiro é marcado pela lavagem das escadarias da Catedral de São Sebastião, padroeiro de Ilhéus e dos Estivadores.

Em 17 de janeiro de 1998, se apresenta no TMI a companhia de dança ”Tu és Brasil”.

Dia 18 de janeiro de 1998, é realizada a reconstituição da viagem ao mato virgem, feita pelo príncipe Maximiliano de Habsburgo, da Áustria, em 1860, subindo o rio Cachoeira até o Banco da Vitória.

Dia 19 de janeiro de 1998, o espetáculo ” Fantasia Jorgeamadiana”, reúne no TMI, grandes nomes da cultura, como: Carla Mendes, Domilita Badaró, Isabela Kruschewsky, Lurdes Teles, Nevolanda Soares, Teresa Damásio, Bruno Susmaga, Euzner Teles, Jaffet Ornelas, Juliana Aguino; no coro, Armênio, Ida, Jorge,Juracy e Zaide.

As comunidades de Rio do Braço e Banco do Pedro comemoram o dia de seus respectivos padroeiros, São Sebastião dia 11 e Senhor do Bonfim dia 25 de janeiro.

Dia 21 de janeiro de 1998, Ilhéus lança nova turma de atores, com a peça ”Livre Curso de Amar”. Após um curso de 8 meses, ministrado pelos professores, Cleise Mendes, Fernando Guerreiro, Hebe Alves, Itália Penza e Luciana Kruschewsky; dirigida por Eliana Mendes, com textos adaptados de diversos autores como: Carlos Drumond, Cecília Meireles, Équio Reis, João Gulart e outros. Formaram-se na 1ª turma 18 atores, dentre eles: Cláudio Mendes, Franklin Costa, Luciano Borges, Marta Serafim, Michele Bandeira, Aldo Arcanjo, Silvia Corrêa e Rita Santana.

Dia 21 de janeiro a Capitania dos Portos da Bahia em Ilhéus, lançou a Campanha ”Legal no Mar”, para regularizar e orientar a população e proprietários de embarcações.

De 22 a 24 de janeiro de 1998, acontece o curso de formação e qualificação profissional de rádio, numa promoção do Sindicato dos Radialistas de Ilhéus, no auditório da CEPLAC.

Dia 23 de janeiro é apresentado no TMI, o recital de piano, pelos músicos Paulo Russo e Chiquinho de Assis.

Dia 25 de janeiro de 1998, os desembargadores, Aloísio Batista do Tribunal de Justiça da Bahia e o Corregedor Geral da Justiça, Luiz Pedreira Fernandes, foram agraciados pelo Município de Ilhéus com a Outorga da Comenda do Mérito São Jorge dos Ilhéus, em solenidade concorrida no salão nobre do Palácio Paranaguá.

Dia 25 de janeiro de 1998, a Ilheustur divulga o resultado do concurso fotográfico ”Mostre a Dois de Julho”, na casa de cultura Jorge Amado.

O carnaval antecipado ”Ilhéus Folia”, foi de 29 de janeiro a 1ºde fevereiro, com os blocos e bandas: Galera de Ilhéus (Chiclete com Banana e Asa de Águia), Eva (Banda Eva, Netinho e Araketu), Cupido Vádio (Cátia Guimmas), Borimbora (Ricardo Chaves e Jamil e Uma Noite), Chupa Rindo (Lordão), Sheppa (Kipileke e Gang Cidade) e o infantil Pic-Nic.

Dia 30 de janeiro de 1998, foi dada a largada a II Regata Salvador-Ilhéus, uma realização do Iate Clube de Ilhéus.

Dia 5 de fevereiro de 1998 a comunidade de Maria Jape, inaugura sua nova igreja, homenagem a N.S. das Candeias.

Dia 08 de fevereiro de 1998, foi comemorada a festa da rainha do mar, Iemanjá, com procissão marítima na baía do pontal, onde os fiéis, turistas e curiosos levam suas oferendas ao alto mar.

Dia 11 de fevereiro de 1998, o fotógrafo Haroldo Magalhães, expôs na galeria do TMI, ”Theobroma em Ótica Poética”.

Em 14 de fevereiro de 1998, termina o projeto ”Praia Limpa”, após recolher toneladas de lixo no litoral ilheense, durante dois meses, sob coordenação da bióloga Vera Vaz, com a participação de surfistas, garis e cabaneiros.

Dia 17 de fevereiro a fotografa mineira, Vanessa Lima, expõe seus trabalhos na galeria do TMI,”Mistérios e Magia do Carnaval de Veneza”.

Abrindo o carnaval oficial, dia 21 de fevereiro a ”Feijoada das Mariposas”, organizada por José Maria, no clube social de Ilhéus. Essa tradicional feijoada já dura 25 anos, e aglomera diversas personalidades da comunidade ilheense.

De 20 a 24 de fevereiro acontece o carnaval cultural, em palcos espalhados pela Av. Soares Lopes e no Circo Folias de Gabriela, animados pelos blocos de sujos, de cordão e batucadas, além das bandas locais e mascarados. A novidade deste ano foi o bloco alternativo ”Brinque Preservando a Natureza”, de idéia da radialista Laudiceia Carvalho.

Em 2 de março de 1998, o ilheense Rogério Menezes (Charinho), vence a I Copa de Tênis, no Coroa Country Club, em Itapetinga.

Dia 10 de março tomam posse os 16 membros da Comissão Municipal da Agenda 21, conforme Decreto n° 016/98 assinado pelo prefeito Jabes Ribeiro.

Dia 14 de março a Fundação Cultural comemorou o dia da Poesia e 151 anos de nascimento de Castro Alves, no largo cultural praça Luís Viana, com a presença de poetas, jornalistas, e o lançamento do livro ”Estudarte” de Sérgio Matos. Nesta data, coincidentemente aniversaria Jabes Ribeiro.

Em 17 de março de 1998, apresenta-se no TMI o grupo ”Quarteto em Cy”, no projeto Petrobrás de Música. Dia 18 de março de 1998, a cantora Chica de Sidra lança seu CD ”Louca Paixão”, no Opaba Hotel.

Em 25 de março de 1998 a Associação de Turismo de Ilhéus ATIL, reivindica aos poderes públicos a mudança no Código Tributário do Município, que dá apenas 2 anos de isenção de impostos para o trade turístico.

Em 27 de março, Ilhéus começa a implantar o sistema de geoprocessamento, cadastrando ruas, logradouros, avenidas…

Em 26 de março de 1998, a Fundação Cultural de Ilhéus, inicia o programa ”Escritores ao Vivo”, estendendo-se durante todo o ano, incentivando aos estudantes sobre a importância da leitura e a escrita.

Em 29 de março de 1998, o atleta Daniel Valverde fica em 2°lugar em campeonato de judô mundial disputado em New Iork EUA, ajudando o Brasil a conquistar o título por equipes. Dia 30 de março a cantora Selma Reis, apresentou o show ”Achados e Perdidos”, no TMI.

De 2 a 4 de abril de 1998 Ilhéus sedia o II Seminário de Turismo do Estado e das regiões Sul e Extremo Sul, no hotel Cana Brava Resort.

De 3 a 5 de abril, foram realizados os jogos comunitários de Ilhéus, entre os bairros da cidade, em diversas modalidades.

Dia 9 de abril o Musical ”Pela Manhã Vem a Alegria”, se apresenta no TMI, o espetáculo é do coral da Igreja Batista Memorial de Ilhéus.

Nos dias 11 e 12 de abril de 1998, os moradores do Rio do Engenho realizam a I Corrida de Canoas, com o objetivo de atrair os turistas para o paradisíaco local.

De 7 a 12 de abril, é encenada em praça pública a peça ”Via Sacra”, de Henri Ghéon, produção da FUNDACI.

De 15 a 17 de abril, Ilhéus sediou três Fóruns de Informática, no Museu do Cacau.

Dia 17 de abril de 1998, é instalada a Câmara Regional de Turismo em Ilhéus, no auditório do INSP.

Dia 17 de abril de 1998, Ilhéus passa a integrar ao MERCOSUL, através de Consórcio do Corredor Atlântico (CAM), onde o porto passa a integrar esse livre comércio.

Dia 21 de abril de 1998 o cantor Gerônimo apresentou show no TMI, projeto Petrobrás de Música.

Dias 22 e 23 de abril a oficina de Radio jornalismo e Educação em Ilhéus, com participação de mais de 50 profissionais da região, o palestrante foi o radialista e jornalista Marcos Aurélio Carvalho, da rádio CBN e Diretor da UNIRR.

Dia 28 de abril, o contribuinte Antônio Nicodemos Lima, recebe um FIAT 0 Km, na campanha do IPTU do Município de Ilhéus, residente na rua dos Cometas n°423, bairro do Malhado, ele pagou em cota única o valor do imposto R$ 46,71.

Dia 23 de abril foi realizada festa em homenagem a São Jorge, padroeiro de Ilhéus e da Diocese do Município. Morre em Brasília o Dep. Federal Luís Eduardo Magalhães, dia 21 de abril de 1998, filho de Antônio Carlos Magalhães e amigo pessoal do prefeito Jabes Ribeiro.

Em 27 de abril acontece no clube Social do Pontal, o II Concurso ”Gata Tchan de Ilhéus”, numa promoção do radialista Quinto de Souza.

Dia 4 de maio de 1998 é inaugurada a 1ª Casa dos Conselhos da Bahia, em Ilhéus, na rua Santos Dumont, n°57, local de reuniões dos conselhos municipais, que já conta com mais de 17 formados e atuando nas decisões administrativas.
Em 10 de maio de 1998 é aberto o Circuito de Corridas de Rua de Ilhéus, com a I Corrida Rústica Tiradentes, promovida pelo II Batalhão de Polícia Militar da Bahia, ainda houveram mais Três etapas durante ao ano, onde os vencedores do ranking final foram agraciados com passagens e hospedagem além da inscrição para São Paulo, na corrida de São Silvestre, o organizador do circuito foi o Prof. Manuel Paulo Muniz Júnior. Dia 19 de maio o projeto Petrobrás de Música, apresenta a cantora Márcia Short, no TMI.

Dia 20 de maio de 1998, o publicitário Marco Lessa, da M21, vence o concurso da Maramata, para o hino da entidade, recebe o valor de R$5.000,00.
Em 30 de maio de 1998, começa a construção do complexo industrial da colônia de pesca Z 34, no bairro do Malhado, com fábrica de gelo, posto de vendas de pescado e câmara frigorífica para armazenamento.
Dia 19 de junho de 1998, o projeto Ciranda do Teatro, apresenta os espetáculos ” Raça Verde” e ”A Perseguição”.

De 23 a 28 de junho aconteceu o Ilhéus Forró, na Av. Soares Lopes.

A cantora Vânia Abreu, se apresenta no dia 9 de junho no TMI, projeto Petrobrás de Música.

De 26 a 28 de junho de 1998, foram realizados os II jogos abertos da Mata Atlântica, com participação de diversas cidades baianas, disputando várias modalidades esportivas, surf e capoeira foram incluídos neste ano.

”Ilhéus de Poetas e Prosadores” antologia em prosa e verso, organizada pelo escritor Cyro de Mattos, foi lançada no dia 27 de junho de 1998, no auditório Sosígenes Costa, na Fundação Cultural de Ilhéus, Casa de Jorge Amado.

Dia 28 de junho, comemorando o aniversário de Ilhéus, foram Outorgadas a Comenda do Mérito da Ordem de São Jorge dos Ilhéus; ao escritor Jorge Amado, ao presidente da Petrobrás, Joel Mendes Rennó, ao prof. Leopoldo Campos Monteiro e ao Dep. Luís Eduardo Magalhães (in memorian), recebido por seu pai, o Senador Antônio Carlos Magalhães.

Dia 28 de junho, aniversário de Ilhéus, data de emancipação política, foram realizados eventos culturais e esportivos: campeonato de surf, futebol, missa na catedral de São Sebastião, Corrida Rústica, lançamento de livro, festival de criatividade infantil, mouthain bike ecológico, festival de capoeira, show da banda jazz Novos e Usados, exposição fotográfica, inauguradas escolas, ruas, escadarias, travessia Ilhéus Pontal de natação, I Troféu Jorge Amado de Cultura e Arte, show de Saul Barbosa.

Em 28 de junho de 1998, é fundada a Associação de Turismo Náutico de Ilhéus, tendo como objetivo organizar e fomentar o setor na cidade, sendo eleito Presidente- Carlos Alberto Badaró, vice- Eduardo Paraiso, 1º secretário-Wagner da Costa ,2º secretário- Roberto Paraiso, Gildeon Farias- 1° tesoreiro, tendo o conselho fiscal formado por Eduardo Nora, Teomar Badaró, Rui Cavalcante, Rogério Nóbrega, Marcos Guedes e Eloires Silva.

Dias 4 e 5 de julho , a Companhia de Partida, apresenta o espetáculo ”Palhaços”, no TMI, destinado ao público infantil.

Em 5 de julho de 1998, acontece a 2ª Travessia a nado Ilhéus Pontal, vencida a exemplo da primeira pelo nadador de Salvador Edvaldo Valério no masculino e Viviane Motti no feminino.
Dia 10 de julho de 1998, foi comemorado o aniversário do TMI, com o I Troféu Jorge Amado de Cultura e Arte.

Dia 17 de julho o Ballet Corpos Companhia de Dança, de Salvador, apresenta o espetáculo ”Intervenções”, no TMI.

Dia 19 de julho, o distrito de Pimenteira realizou festa para sua padroeira, N.S. do Carmo, com missa, batizados e procissão.

Dias 23 e 24 de julho de 1998, é realizado o II Seminário de Gestão Municipal, no auditório Paulo Souto, na UESC, com participação de vários prefeitos de municípios baianos.

Dia 24 de julho de 1998, em comemoração a recuperação da Av. 2 de julho, acontece o show musical com artistas ilheenses: Nego e Jorginho, Bebeto, Itassucy, Herval Lemos, Alana Lima, Keketa, Sambágua, Jeito Moreno e Som de Porão, organizado pelo TMI e o percussionista Papel.

Dia 26 de julho de 1998, os atores ilheenses, Franklin Costa e Adelson Costa, vencem o Festival de Teatro em Teixeira de Freitas, com a peça ”Palhaços”. Com jurí formado pelo diretor ilheense Pedro Mattos e a Soteropolitana Jurema Penna.

De 28 a 30 de julho acontece o Seminário ” Alternativas Agroindustriais Café Conillon”, no auditório da CEPLAC.
A cantora ilheense Clécia Queiroz, fez show no TMI dia 31 de julho de 1998, em homenagem aos 75 anos de idade de seu pai, Francolino Neto, lançando o CD ”Chegar à Bahia”.

De 31 de julho a 1º de agosto de 1998, acontece o I Concurso de blocos Afro de Ilhéus, organizado pelo conselho de Entidades Afros de Ilhéus e grupo cultural Dilazenze, na FUNDACI.

Dia 1º de agosto de 1998 foram inauguradas as ruas 31 de março, São Francisco, Alto do Paquetá, Pio XII, Água Preta, Santarém, Mário Alfredo e Santa Clara, todas no bairro da Conquista, onde foram feitos os serviços de drenagem e pavimentação.

Dia 1º de agosto 1998, os Agentes Comunitários de Saúde de Ilhéus, comemoraram seu 2° aniversário de existência, em festa no clube Social de Ilhéus.

Dia 2 de agosto o cantor e compositor de Tocantins, Juraildes da Cruz, lança CD ”Lugar Seguro”, no TMI.

Em 3 de agosto de 1998, entra no ar a ”Home Page” da IlheusTur, http://www.ilheus.com.br

Em 3 de agosto, o vice-prefeito,Henrique Abobreira, entrega a Carta de Ilhéus, que defende a diversificação Agroindustrial da região cacaueira, ao Centro de Recursos Ambientais (CRA) na Bahia, ao seu diretor, Durval Olivieri.

Dia 4 de agosto de 1998, apresenta-se o musical ”Coco Black Dance”, com o músico Wilson Café, no TMI, Projeto Petrobrás de Música.

Dia 11 de agosto de 1998, dia do estudante e da fotografia, acontece o I Concurso Estudantil de Fotografia, organizado pela FUNDACI, com exposição na galeria do TMI.

De 7 a 11 de agosto de 1998, realiza-se os II Jogos Estudantis da Juventude Saudável, no Ginásio de Esportes Herval Soledade, Estádio Mário Pessoa e Clube Social de Ilhéus.

Dia 11 de agosto de 1998, Jorge Amado completa 86 anos, a FUNDACI o homenageia exibindo o filme ”Dona Flor e Seus Dois Maridos”, na praça Luís Viana.

Dia 12 de agosto de 1998, a revista Veja apresenta matéria de grande repercussão nacional, mostrando as potencialidades turísticas de Ilhéus.

Dias 14, 15 e 16 de agosto de 1998, o espetáculo ”Um Bonde Chamado Desejo” de texto, Tennesse Williams, comemorando 50 anos de escrito, apresenta-se no TMI.

Dia 15 de agosto de 1998, é inaugurada a rua da Horta e as escadarias do alto da Esperança, drenagem, pavimentação e iluminação foram os serviços que beneficiaram aquelas comunidades.

Dia 16 de agosto de 1998, o bairro N.S. da Vitória, comemora seus 12 anos de existência, já com mais de 5 mil moradores.

Dia 19 de agosto de 1998, a peça ”Amigos Para Sempre”, interpretada pela atriz Tônia Carrero e Irving São Paulo, apresenta-se no TMI.

Dia 22 de agosto de 1998, vem a Ilhéus o Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, em comício para a reeleição.

Em 22 de agosto acontece no auditório da CEPLAC o II Seminário Núcleo da Mulher, com o tema ”Escola e Sexualidade”, com palestra do sexólogo Ricardo Cavalcante, consultor da ONU para educação sexual.

Dia 27 de agosto de 1998, o secretário de Indústria, Comércio e Turismo da Bahia, Paulo Gaudenzi, proferiu palestra na ACI, sobre Centro de Convenções e suas potencialidades.

Com o tema ”Legislativo Rumo ao Novo Milênio”, realiza-se de 27 a 29 de agosto de 1998, o 37º Congresso Nacional de Vereadores, no auditório da UESC.

Em setembro de 1998, a secretaria de Educação lança o Concurso Público de Redação e Vitrine, para comemorar o Civismo em 7 de setembro.

Dia 1º de setembro o Projeto Petrobrás de Música apresenta no TMI a cantora Belô Velloso, com o show ”Um Segundo”.

Em 1º de setembro de 1998 é sancionada a Lei nº 2.683, de julho de 1998, regularizando o sistema de transporte individual de passageiros (taxi). A expedição de alvará, passa a partir dessa data ser efetivada em nome do proprietário do veículo, em caráter pessoal e só transferível a terceiro após 5 anos de sua expedição, a critério do autorizado.

Dia 5 de setembro de 1998, acontece no Opaba Hotel, a tradicional festa dos Radialistas, que iniciou em 1966, as bandas que animaram o público foram Gang do Samba e Sambágua.

Em 7 de setembro de 1998, dia da Independência do Brasil, o desfile cívico com a participação das Forças Armadas, Escolas Públicas e Particulares, Políticos e Civis, reúne na Av. Soares Lopes, 30 mil pessoas.

Em 9 de setembro de 1998 é realizado o V Congresso Estadual das APAES, no auditório da UESC. A entidade filantrópica localiza-se em Ilhéus no bairro da Conquista , na rua dos Carilos nº5, tendo sua sede permanente construída no bairro da URBIS, sua sede desportiva será construída no Jardim Atlântico rod.Ilhéus – Canavieiras Km 2.

Dia 10 de setembro, dia da Imprensa, comemora-se em Ilhéus a liberdade de expressão.

Dia 15 de setembro, o projeto Petrobrás de Música apresenta no TMI, o cantor Péri.

De 17 a 20 de setembro acontece os Jogos Intercolegiais da Primavera, com disputas de diversas modalidades esportivas, numa iniciativa da divisão de esportes do município.

Em 21 de setembro, dia da árvore, a comissão organizadora da Agenda 21 de Ilhéus, entregam a conclusão dos trabalhos de implantação, ao prefeito Jabes Ribeiro, no Campus da MaraMata, Espumas Flutuantes (em homenagem ao poeta Castro Alves)onde foram plantadas árvores nativas da Mata Atlântica.

De 23 a 27 de setembro de 1998, acontece a I Exposição Agropecuária e Feira Industrial, e o I Ilhéus Fest Country, no parque de Exposições, no Km 5 da rod. Ilhéus Olivença, promovido pela Associação Ilheense de Criadores.

Dia 25 de setembro de 1998, o TMI recebe a peça ”Romances de Dois Soldados de Herodez”, com os atores Nelson Vauier e Via Negromonte.

De 25 a 27 de setembro de 1998, a academia Prófit, realiza no hotel Jardim Atlântico, a Copa Atlântico de Tênis, organizada pelo professor Rogério Menezes.

Em 28 de setembro de 1998, acontece a Exposição Fotográfica de Capoeira, na galeria do TMI, organizada por Arthur Gregório e as academias de capoeira de Ilhéus, com fotos de Jackson Freitas, Clodoaldo Ribeiro e Dayse Almeida.

Dia 29 de setembro de 1998 os funcionários públicos municipais da prefeitura de Ilhéus, reelegem para mais um biênio o Sr. Júlio Gomes a presidência do SINSEPI.

Em 1998, Ilhéus possui duas zonas eleitorais: a 25ª com 150 sessões e 52.308 eleitores, e a 26ª com 151 sessões e 50.404 eleitores.

Em 7 de outubro o espetáculo infantil ”Curupira, o Héroi da Floresta”, se apresenta no TMI.

Em 9 de outubro de 1998, em comemoração aos 15 anos de fundação da Academia Transforma, foi encenado o espetáculo ”Romeu e Julieta”, no TMI, dirigido pela dançarina Mônica Mendes.

Dia 10 de outubro de 1998, Ilhéus sedia a Copa do Mundo de Triathlon (America’s Cup de Triathlon), com a participação de atletas de vários países, vencida pelo paranaense, Juracy Júnior, no masculino e a Norte Americana , Gail Laurence, no feminino.

No ano de 1998 é reformado o aeroporto de Ilhéus, com a construção da área de giro da cabeceira da pista e de pouso e o alongamento do acesso do pátio de estacionamento de aeronaves. A pista tem 1.574 metros de extensão.

Acontece no dia 16 de outubro o I Seminário de Turismo e Hotelaria da Costa do Cacau, promovido pela IlheusTur e BahiaTursa.

Dia 19 de outubro de 1998, a abertura do verão aconteceu com o show das bandas Farol Beach Band, Sambágua, Maria Huanna e o trio elétrico Nasa e banda de H, na Av. Soares Lopes, integrando ao projeto verão 99 graus.

Dia 26 de outubro de 1998, Ilhéus sedia a 1ª Reunião do Pacto Federativo de Proteção Ambiental, no escritório do Centro de Recursos Ambientais (CRA).

Falece dia 28 de outubro de 1998, o radialista Edinho Nascimento, aos 51 anos, conhecido pelo povo de Ilhéus por atuar na rádio Santa Cruz, com os programas ”Show da Manhã”, ”Circuito da Tarde” e ”SOS Cidade”.

Em outubro de 1998, o atleta ilheense Daniel Valverde, representou o Brasil no torneio Sul-Americano Inter-Universidades de Judô, no Chile, ficando em segunda colocação em duas categorias.

Em novembro de 1998, a Av. Princesa Isabel, com 2 Km de extensão, inaugura a rede de esgotamento sanitário e o asfaltamento, numa parceria dos Governos Estadual e Municipal, agraciando os 10 mil moradores da artéria.

Em 1º de novembro de 1998, acontece a Cavalgada Ecológica ”Na Trilha de Magali” revivendo a aventura do gaucho Sebastião Magali em 1907. No TMI a peça ”Us Joãos i Us Magális”, encenada pelo grupo teatral União e Olho Vivo, de São Paulo, dia 31 de outubro.

Em novembro de 1998 o TMI apresenta os espetáculos ”Floresta Amazônica” da escola de balé de Ilhéus; ”Mundo Disney- por trás das Coxias” e ” Branca de Neve e os 7 Anões”, da academia Dinâmica e Movimento; já o projeto Petrobrás apresentou dia 17 de novembro os cantores Elza Soares e Edil Pacheco, com o show ”Na Bahia eu Sambo e Rio”.

De 10 de novembro de 1998 a 6 de fevereiro de 1999, os artistas plásticos, Franz Rzebak e Selma Calheira, expõem 400 trabalhos elaborados em cerâmica e ferro ”oficina Cores da Terra”, na Casa dos Artistas, na rua Jorge Amado.

Dias 12 e 13 de novembro de 1998, comemorando 15 anos de fundação o Ballet Mônica Mendes, apresenta o espetáculo ”MPB In Concert”, no TMI, com a participação dos convidados: grupo Afro Dilazenze, Tony Papel, Cézar Veiga e Marco Aurélio.

Dia 15 de novembro a cantora Virgínia Rodrigues se apresenta no TMI, projeto Petrobrás de Música.

Dia 16 de novembro a Polícia Militar da Bahia lança a operação verão ”Beijupirá”, estendendo-se até 1º de março de 1999.

Dia 19 de novembro de 1998, dia da Bandeira, a prefeitura doa área de 762 metros quadrados a Capitania dos Portos de Ilhéus, na rua do Rotary, obedecendo a Lei n°2.709, de 22 de outubro de 1998.

Dia 19 de novembro de 1998, passa por Ilhéus a imagem da padroeira do Brasil, N.S. de Aparecida, sendo levada a igreja do Malhado em carreata, onde foi realizada uma missa pelo Bispo Dom Mauro Montagnoli.

Em 18 de dezembro de 1998, começa a funcionar o sistema de semáforos de Ilhéus, num total de 25 localidades da cidade.

Em 18 de dezembro o Colo-Colo Futebol e Regatas inaugura seu escritório comercial, no ed. Paranaguá, sala 204, na rua Almirante Barroso nº 137. Fundado em 3 de abril de 1948, por um grupo de desportistas de Ilhéus para participar da ”Semana Inglesa”, torneio promovido pelos comerciantes da cidade; em 1950 filiou-se à liga de futebol de Ilhéus, vindo participar em 1967 e 1968 do campeonato baiano. Foi campeão ilheense nos anos de 1954/58/62/97 e bi-campeão da ”Semana Inglesa”.

Durante todo o verão de 1998/99 o projeto Praia Limpa, organizado pela Cooperativa dos Trabalhadores do Sul da Bahia (COOTRASUL), retirou das praias de Ilhéus mais de 20 toneladas de lixo.

Nos dias 21 e 22 de dezembro de 1998, a prefeitura distribuiu mais de 25 toneladas de frango as comunidades carentes, o trabalho de cadastramento e distribuição foi feito pela Sec. De Assistência Social do município.

De 18 de dezembro de 1998 a 31 de janeiro de 1999, a VII Feira de Moda e Turismo de Ilhéus (FENTUR), recebeu 35 mil visitas, nos 40 estandes, sendo considerada a 2ª melhor da Bahia.

Em comemoração a Semana do Trânsito, realizada pela 13ª Ciretran e II Batalhão de Polícia Militar, apoio da Prefeitura, Sesi, Senai, Uesc, Direc-6 e a Polícia Rodoviária Estadual e Federal, o professor da UFBA, Sérgio Habib, proferiu palestra dia 19 de novembro, sobre ”O Novo Código de Trânsito Brasileiro e seus Aspectos Legais”, no auditório da CEPLAC.

Dia 20 de novembro, dia Nacional da Consciência Negra, foi comemorado em Ilhéus com extensa programação, organizada pelo Conselho das Entidades Afro-Culturais (CEAC).

Dias 20, 21 e 22 de novembro de 1998, o Studio Marry Danças, apresentou o espetáculo ”Os Bárbaros”, no TMI.

Em 22 de novembro de 1998, comemorando o dia da Música, os artistas Herval Lemos, Chica de Cidra, Bebeto, Nego e Jorge, Fátima Trajano, Itassucy, Tinho Gomes, Gilberto Sena, Fabiano Carillo, Molho Tropical, S4 &Cia, Jeito Moreno, Som de Porão e banda Dimensão, fazem show na Av. Soares Lopes, numa iniciativa da FUNDACI, com produção do percussionista Papel.

Um diagnóstico rápido rural participativo (DRRP) foi realizado em novembro de 1998, na Lagoa Encantada, visando descobrir as particularidades do Meio e sua comunidade, para implantação de projetos na Área de Preservação Ambiental (APA) da Lagoa. Fizeram parte do diagnóstico a IlheusTur, representada por Mauro Barros e o Instituto de Estudos Sócio Ambientais Brasileiro (IESB).

Dia 29 de dezembro de 1998, a Lagoa Encantada recebe 400 mil alevinos para o repeixamento. Promovido pela Bahia Pesca, Prefeitura e Colônia de pesca Z-34. As espécies escolhidas foram: tambaqui, tilápia, carpa e tambacú.

Em 1998 Ilhéus recolhia 540 toneladas de lixo anualmente, na zona urbana e mais a Estância Hidromineral de Olivença, numa abrangência de 90% da área territorial.

O Reveillon 1998/99, não repetiu o êxito alcançado no ano anterior, mas a festa pública na Av. Soares Lopes, com bandas e show pirotécnico reuniu mais de 15 mil pessoas. Os blocos Borimbora e Galera se uniram e comemoraram ao som de Jamil e Uma Noites, no Morro de Pernambuco, com cerca de 6 mil pessoas, o bloco Crocodilo realizou sua festa no hotel Jardim Atlântico, com as bandas Araketu e Crocodilo, as cabanas de praia da zona sul fizeram suas festas separadamente, o Iate Clube de Ilhéus e hotéis da cidade também promoveram suas festas. Ilhéus chegou a receber nesta passagem de ano mais de 40 mil turistas.

 

Em janeiro de 2000, o número de leitos em hotéis e pousadas de Ilhéus, somados, era de 7.300.

Dia 9 de janeiro de 2000, o humorista, João Netto, “Zé Modesto”, do rodízio de piadas do domingão do Faustão, se apresenta no TMI.

Dia 4 de janeiro de 2000 é lançado o projeto Pôr do Sol na Av. Soares Lopes, ao lado da Catedral, com apresentação de bandas, academias, grupos afros e de capoeira.

Dias 8 e 9 de janeiro de 2000, as bandas É o Tchan e Cheiro de Amor, apresentam-se em Ilhéus respectivamente.

Dia 8 de janeiro de 2000, o grupo “Raça da Bahia”, se apresenta no TMI.

Dia 9 de janeiro, acontece a tradicional festa da puxada do mastro de São Sebastião, em Olivença.

Dias 8 e 9 de janeiro de 2000, na praia da Maramata no bairro do Pontal, acontece a III Copa Verão de Vôlei de Praia, vencida por Rogério Tosta e Everaldo de SSA, ficando em segunda colocação Gidson e Anacleto de Ilhéus.

Dia 10 de janeiro de 2000, a cantora Leila Pinheiro, fez show no TMI, projeto Petrobrás de Música.

Dia 13 de janeiro de 2000, foi a vez da banda de rock, Raimundos, sacudir Ilhéus, na arena da Av. Soares Lopes.

Dias 15 e 16 de janeiro o espetáculo infantil “O Museu da Emilia”, de Monteiro Lobato, se apresenta no TMI.

Dia 19 de janeiro de 2000, o grupo Terra Samba alegrou a arena da Soares Lopes.

De 20 a 23 de janeiro o “Ilhéus Folia”, carnaval antecipado, arrastou 80 mil pessoas para a Av. Soares Lopes, por dia, tendo um público de 350 mil pessoas aproximadamente nos quatro dias de folia, com os blocos Massicas, Borimbora e Chupa-Rindo. Atrações: Tonho Matéria, Harmonia do Samba, Ivete Sangalo, Beijo, Ricardo Chaves, Cheiro de Amor, As Meninas, Wanderley Andrade e mais 17 bandas e 8 trios elétricos.

Após 45 anos de existência e vencido 4 vezes por mulheres ilheenses, o Concurso Miss Bahia 2000, foi realizado em Ilhéus, com 13 candidatas, dia 29 de janeiro, no clube Social de Ilhéus. Em homenagem a, Florianel Portela, miss Bahia 1966, e a Marta Rocha, miss Brasil. Foi a grande vencedora a miss Valença, Halana Silva. Fizeram-se presentes a miss Brasil 1999, Renata Fan, do Rio Grande do Sul e a ex-miss Universo, Marta Vasconcelos. Essa foi a 2ª vez que o concurso foi realizado em Ilhéus, a primeira vez foi em 1974, quando a vencedora foi a ilheense Barbara Vaz.

Dia 2 de fevereiro de 2000, acontece a tradicional festa de Iemanjá, na praia da Maramata, Morro de Pernambuco, onde os terreiros de Candomblé Egunitá, Kalaya, Sandoyá e Nankanssy, dão início ao cortejo marítimo para a entrega de oferendas a rainha do mar.

Dia 6 de fevereiro de 2000, acontece a III Canoagem Rumo ao Mato Virgem, com saída da praia da Maramata e destino ao Banco da Vitória, via rio Cachoeira.

Dia 8 de fevereiro de 2000, a cantora gaucha, Adriana Calcanhoto, se apresenta no Circo Folias de Gabriela, projeto Petrobrás de Música.

Dia 15 de fevereiro de 2000, se apresenta em Ilhéus o cantor Morais Moreira.

O Rotary Clube de Ilhéus foi fundado em 4 de novembro de 1941. Atualmente conta com 34 membros, tendo com presidente o Sr. Maurício Dórea, em março de 2000, a entidade inaugurou seu marco, na confluência da Av. Itabuna com a Av. Petrobrás, entre o posto Brasil, Val cabeleireiro e 6ª Dires.

Em 2000, segundo o IBGE, Ilhéus contava com um rebanho bovino de 40 mil cabeças.

De 4 a 7 de março de 2000, foi realizado o carnaval cultural, na data oficial, com apresentação de blocos locais, pierrôs e colombinas, na Av. Soares Lopes.

Em março de 2000, o grupo MPB 4 , se apresenta no Circo Folias de Gabriela.

Dia 2 de abril de 2000, acontece o I Máster de Surf de Ilhéus, na cabana Nariga’s, praia do Sul, organizado por Aderino França e Carlos Santiago, vencido na categoria sênior por Thor e na máster por Jânio Argolo.

Dia 21 de março de 2000, a Maramata concluiu o curso de Alternativas Alimentares, ministrado pela bióloga, Rute Colares.

Dia 22 de março de 2000, aconteceu no Barravento Hotel, o I Fórum de Marketing Turístico de Ilhéus, realizado pelo jornal A Região e Morena FM, tendo como coordenador Marcel Leal e mediador Ramiro Aquino.

Em 4 de abril de 2000, o cantor Chico Cézar, faz show no Circo Folias de Gabriela.

Dia 22 de abril de 2000, em comemoração aos 500 anos de descobrimento do Brasil, Ilhéus faz festa na Av. 2 de julho, com apresentações teatrais e musicais.

Dia 26 de abril de 2000, o espetáculo ” Mulheres Brasílicas”, se apresentou no Circo Folias de Gabriela, com direção de Rita Gusmão, enfocando os 500 anos de participação da mulher na história do Brasil.

De 27 a 30 de abril de 2000, Ilhéus foi sede da IX Convenção Nacional do Rito Brasileiro, realizado na UESC, com o tema “A Maçonaria Moderna do Rito Brasileiro para o 3º Milênio”.

De 29 de abril a 1º de maio de 2000, acontece o II Festival do Peixe, em Lagoa Encantada, com eventos esportivos, musicais, gastronômicos, ecológicos e educacionais.

Dia 2 de maio de 2000, o compositor e cantor ilheense, Saul Barbosa, lançou seu 5º CD “Cio da Cidade”, no circo Folias de Gabriela.

Dia 8 de maio de 2000, acontece o 17º Congresso Brasileiro de Jornalismo de Turismo (ABRAJET), no Cana Brava Hotel, Ilhéus.

Em 11 de maio de 2000, o prefeito Jabes Ribeiro, sancionou a Lei nº 2.853, que dispõe sobre as atribuições do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (CONDEMA), alterando a antiga nº 2.326, incluindo novas entidades e criando o Fundo Municipal do Meio Ambiente, incluindo na Lei orçamentária anual do Município.

Em 12 de maio de 2000, a Associação de blocos afros, recebe com grande alegria a assinatura de convênio entre a prefeitura de Ilhéus e a Associação Desportiva 19 de Março, firmando a criação do Centro da Cultura Negra de Ilhéus.

Dia 19 de maio de 2000, a Faculdade de Direito de Ilhéus completou 40 anos. Criada por idealistas tendo a frente seu primeiro diretor, o professor Soane Nazaré, em decreto assinado pelo Presidente da República, Juscelino Kubistchek, autorizando o funcionamento da 1ª instituição de ensino superior do sul da Bahia, dando início a fundação da FESPI e posteriormente UESC. Henrique Cadoso (prefeito), José Cândido e Alves de Macedo (deputados), Francolino Neto e Amilton de Castro, foram baluartes desta concretização. Funcionou de 1961 a 1974 no prédio que hoje abriga a Fundação Cultural de Ilhéus, Casa de Cultura Jorge Amado, no centro de Ilhéus.

Dia 20 de maio de 2000, a empresa de transporte coletivo São Miguel, começou a circular em Ilhéus, com 42 ônibus novos e 18 linhas, após vencer processo de licitação. Sua garagem localiza-se na Av. N.S. de Aparecida, n°1806, bairro da Barreira. Desde 1997 até 2001 o preço da passagem dos ônibus coletivos em Ilhéus é de R$ 0,50.

Dia 25 de maio aconteceu na UESC o I Seminário sobre a Cultura do Café na Região Sul da Bahia.

Em 28 de maio de 2000, foi revelado o vencedor do I Prêmio Literário Nacional Capitania de São Jorge dos Ilhéus. A vencedora foi Edilece Souza Couto, com o trabalho “A Puxada do Mastro-Transformações Históricas da Festa de São Sebastião em Olivença, Ilhéus-Bahia”. Recebeu R$10.000,00 e edição de 1000 exemplares da obra.

Dia 31 de maio de 2000, o cantor Eduardo Dusek, se apresentou no Circo Folias de Gabriela, projeto Petrobrás de Música.

Durante o mês de junho de 2000, 1.800 atletas de toda a Bahia participaram em Ilhéus dos Jogos Abertos da Mata Atlântica.

Em 3 de junho de 2000, é inaugurada a Av. Oduvaldo Bacelar (Ceplus), com asfaltamento, drenagem e iluminação.

Em 4 de junho de 2000, é inaugurado o pier de atracação para embarcações turísticas à Lagoa Encantada, no distrito de Sambaituba.

Dia 16 de junho de 2000, o grupo As Meninas fizeram show na zona sul de Ilhéus, na URBIS.

Em 28 de junho de 2000, aniversário de 119 anos de emancipação política de Ilhéus, foi inaugurado o Centro de Convenções de Ilhéus, com 5.500 metros quadrados de área construída, estacionamento para 278 veículos, quatro auditórios, 14 salas de reuniões, pavilhão de exposições foyer, coffe-shop, sanitários, hall, 4 bilheterias, sala vip, administração com três salas e uma recepção, elevador e escadas de acesso ao 1º e 2º andares. O auditório principal para 1.465 pessoas. É totalmente equipado com tecnologia de ponta.

Em comemoração ao 28 de junho, dia da cidade, houve o São João na Av. Soares Lopes numa arena de 12 mil metros quadrados, diversas competições esportivas, shows.

Inicia-se o período eleitoral, com grandes comícios, inaugurações, promessas, baixarias, mortes, poluição sonora e visual, sujeira nos postes e muros da cidade.

Em 30 de junho de 2000, o escritor, Luiz Walter Coelho Filho, lançou o livro “A Capitania de São Jorge e a Década do Açúcar”, no centro de convenções.

Dia 30 de junho de 2000, é inaugurada a Policlínica Halil Medauar, no bairro da Conquista, homenagem ao médico que atuou durante 35 anos na cidade, com muita competência. O show de Edson Gomes animou os festejos.

Em 1º de julho de 2000, os Los Catedráticos, apresenta o espetáculo “NPB:remasterizada”, no TMI.

Dia 2 de julho de 2000, foi encerrado o Festival Viva Ilhéus, no Centro de Convenções, onde as escolas da cidade realizaram uma semana de exposição histórica, coordenadas por Pedro Mattos, Conceição Ferreira e Tatiana Bonfim.

De 4 a 7 de julho de 2000, acontece o I Congresso Baiano de Apicultura, na UESC.

Dia 7 de julho de 2000, o grupo de balé “Corpo e Dança”, com direção da coreógrafa Soanny Marry, apresentou o espetáculo “Explícito”, no TMI.

De 7 a 11 de julho de 2000, Ilhéus sediou o Encontro Latino-Americano de Estudos para Bispo, antecedendo o 10º Congresso Mundial das Comunidades Eclesiais de Base, que aconteceu em Ilhéus de 11 a 14 de julho, no Centro de Convenções.

De 10 a 20 de julho de 2000, 0 artista plástico italiano, Eddi Zanardello, apresenta seus trabalhos “Velas Ornamentais”, na Casa dos Artistas, Salão Hans Koella, rua Jorge Amado, centro de Ilhéus.

Dia 10 de julho de 2000, o TMI completou 14 anos de funcionamento, na comemoração um recital da poetisa, Elisa Lucinda.

De 11 a 15 de julho de 2000, Ilhéus transforma-se na capital nacional da fé, com a realização do 10º Encontro Interclesial. De 19 a 23 de julho de 2000, é realizado o I Festival do Camarão, com concurso gastronômico e shows, na praça armada para o evento na Av. Soares Lopes.

Em 1º de agosto de 2000, o Ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, visitou a Maramata, elogiando a criação de tal instrumento de preservação ambiental, sendo cogitado para outras cidades brasileiras.

Em 5 de agosto de 2000, foi inaugurada a sede da Maramata, na Nova Brasília, bairro do Pontal.

Dia 10 de agosto de 2000, aniversário de 88 anos de Jorge Amado, o prefeito Jabes Ribeiro assina projeto de Lei, instituindo a criação do Quarteirão Jorge Amado, no Centro Histórico de Ilhéus, e cria a Semana Jorge Amado de Cultura e Arte.

Em agosto de 2000, foi realizada a terceira edição do Troféu Jorge Amado de Cultura e Arte, agraciando os trabalhos e produções artísticas que engrandecem a cultura da cidade e região. Foram contemplados 20 personalidades, em espetáculo promovido no TMI. Receberam o Troféu confeccionado pelo artista plástico ilheense Goca Moreno, e organizado pelo administrador do Teatro Municipal, Maurício Pinheiro. Fábio Lago, Antônio Melo, Jorge Araújo, Mariângela Galvão, Edmon Darwich, Accioly Moreira, Antônio Lopes, Adélia Melo, Paulo Cidade, Teresa Damásio, Sirikit Koela, Soane Marry, Carlos Moura (Makalé), Herval Lemos, Fabiano Carillo e Chica de Cidra. Ainda a família do bailarino Codi Reis, recebeu In Memorian.

Em 12 de agosto de 2000, o ilheense, Marlon Monteiro Gomes, vence 10º Concurso Regional de Poesia, com o poema intitulado “Aborto”.

Dia 15 de agosto de 2000, o cantor, Xangai, apresentou o show “Brasileirança”, no TMI.

Dia 17 de agosto de 2000, o cantor, Djavan, apresentou-se na Concha Acústica de Ilhéus.

Dia 17 de agosto de 2000, a poetisa ilheense, Janete Lainha Coelho, lançou livro “Literatura de Cordel, a Cara do Povo”, no TMI.

Dia 20 de agosto de 2000, a candidata, Priscila Andrade de Jesus, 15 anos, 7ª série da escola municipal, Temístocles Andrade, no bairro Teotônio Vilela, vence o Concurso de Rainha dos Estudantes, realizado no clube AABB.

Dia 21 de agosto de 2000, a APAE, comemorou 20 anos de fundação em Ilhéus, prosseguindo a semana do excepcional, até o dia 28 de agosto.

Dias 25 e 26 de agosto de 2000, a Associação das bandas alternativas de Ilhéus (ABEI), realizou festival no circo Folias de Gabriela, I Festival Kravo, Kaos e Kanela. As bandas Quizila, Savana, Quilombo, Dr.Imbira, Us Comipexe e Quadro Negro, fizeram a alegria da moçada presente ao evento.

Dia 28 de agosto de 2000, a poetisa ilheense, Michelle Pereira da Silva, lançou o livro “Nas Asas da Poesia”, no TMI.

Dias 4 e 5 de setembro de 2000, aconteceu o Seminário de Agronegócios Coco e Dendê no Sul da Bahia, no centro de convenções.

De 4 a 28 de setembro de 2000, aconteceram os jogos Intercolegiais da Primavera, vencido pelo CEAMEV e em 2º o CIERG.

Dia 8 de setembro de 2000, aconteceu a 34ª Festa dos Radialistas, na AABB, homenageando diversos profissionais do rádio e personalidades ilheenses.

Dia 9 de setembro de 2000, o cantor e compositor Flávio Venturini, apresenta show no centro de convenções, “Linda Juventude”.

Dias 12, 13, 14 e 15 de setembro de 2000, aconteceu o I Congresso e Feira de Informática e Eletro-Eletrônicos do Sul da Bahia, no Centro de Convenções de Ilhéus.

Dia 15 de setembro de 2000, a cantora Margareth Menezes fez show no TMI.

Em 15 de setembro de 2000, toma posse a nova diretoria da ABO, Associação Baiana de Odontologia-Ilhéus, no Centro de Convenções. Tendo na presidência, Andréa Lima; 1º tesoureiro, Ledson Nogueira; 2º tesoureiro, Helder Valiense; secretária geral, Aline Porto; área social, Sara Tavares e Adriana Gomes e no setor científico Ângela Porto e Marcelo Teles.

Dia 16 de setembro, a Companhia Baiana de Teatro apresentou o espetáculo “5 Minutos para Dizer…”.

Dia 17 de setembro o espetáculo infantil “Babe, o Porquinho”, com direção de Aldo Bastos, no TMI.

Dia 22 de setembro de 2000, o cantor Beto Guedes se apresentou no Centro de Convenções de Ilhéus.

Dia 30 de setembro de 2000, o humorista baiano, Renato Piaba, se apresenta pela 2ª vez em Ilhéus, no TMI, com o espetáculo “Traumas e Risos”.

Dia 6 de outubro de 2000, o cantor Márcio Mello se apresentou no TMI.

Em 12 de outubro de 2000, a paróquia do Malhado, comemorou “Em Nome do Pai, em Nome do Filho, em Nome do Espírito Santo, encontramo-nos no Novo Milênio”, em homenagem a padroeira do Brasil e do bairro, N.S. de Aparecida.

Dias 12, 13 e 14 de outubro de 2000, acontece o III Encontro Regional de Estudantes de Hotelaria e Turismo, no Centro de Convenções de Ilhéus.

Dias 14 e 15 de outubro de 2000, a peça teatral infantil ” A Bruxinha que Era Boa” se apresenta no TMI, com texto de Maria Clara Machado e direção de Eliane Sabóia.

Dia 21 de outubro de 2000, o bispo da igreja Universal do Reino de Deus, Marcelo Crivella, lançou seu CD “Vamos Irrigar o Sertão”, na concha Acústica de Ilhéus.

Dia 22 de outubro de 2000, os espetáculos, ” As lavadeiras” e “A Senha”, de autoria e direção de Marquinhos Nô, foram apresentados no TMI.

Dia 28 de outubro de 2000, o “Titã”, Nando Reis, fez show no TMI, lançando seu CD solo “Para Quando o Arco-Íris Encontrar o Pote de Ouro”.

Dia 29 de outubro de 2000, acontece o II Concurso de Bandas e Fanfarras São Jorge dos Ilhéus, na Av. Lomanto Júnior, no bairro do Pontal.

Dia 3 de novembro de 2000, a dupla Zezé Di Camargo e Luciano, apresentam-se na concha Acústica de Ilhéus, com a presença de 13 mil pessoas, o melhor show da história de Ilhéus.

Dia 14 de novembro de 2000, acontece a II Cavalgada na Pista de Magáli, revivendo a história e lutando pela preservação ambiental. O percurso, saindo da fazenda Rosário, passando por Aritaguá, Sambaituba, Urucutuca até chegar à fazenda Almada (da UESC), participaram mais de 200 cavaleiros e amazonas.

De 7 a 10 de novembro de 2000, a 13ª Ciretran, realizou a Semana do Trânsito, na praça J.J.Seabra, com diversas atividades, palestras, primeiros socorros e informação.

Dia 17 de novembro de 2000, o cantor e compositor, Pierre Onasis e seu Bom Balanço, apresentaram o show no clube Social de Ilhéus.

Dia 20 de novembro de 2000, dia da Consciência Negra, foi inaugurado o Memorial da Cultura Negra, na sede da Associação 19 de Março, com apresentação de grupos afros, dança e bandas.

Dias 24 e 25 de novembro de 2000, a AMURC, reuniu em Ilhéus, os prefeitos eleitos e reeleitos para o quadriênio 2001/2004, no Opaba Praia Hotel.

De 26 de novembro a 3 de dezembro de 2000, os atletas ilheenses, Rogério Gomes e Renata Santana, foram representar a Bahia nos Jogos Abertos do Brasil, em Atibaia, São Paulo.

Durante todo o mês de novembro de 2000, o Festival de Dança de Ilhéus apresentou vários espetáculos: “Duas Faces do Oriente”, “As Quatro Estações”, “Os Deuses”, “Pinóquio”e “Garra”.

A eleição em 2000 foi bastante disputada, onde seis candidatos disputaram a cadeira no Palácio Paranaguá, sendo reeleito e assumindo pela terceira vez a Prefeitura de Ilhéus o Bel. Jabes Sousa Ribeiro com 33.775 votos, Roland Lavigne com 27.257 votos, Nelson Simões com 7.304, Cosme Araújo com 2.102, Maria Adise com 1.822 e Oldeck Marques com 473. Tendo como Vice-Prefeita a primeira mulher a ocupar o cargo, a Srª Ângela Correa Sousa. Na Câmara de Vereadores foram eleitos: Jailson Nascimento com 1.475 votos, Joabs Ribeiro com 1.405, Francisco Sampaio com 1.318, Marcus Paiva com 1.286, Ivo Evangelista com 1.202, Antonio Bezerra com 1.126, José Cruz com 1.081, Carlos Alberto com 1.016, Alisson Mendonça com 849, José Fernandes com 804, Gilmar Sodré com 770, Zerinaldo Sena com 749, Edson Silva com 743, Amilton Alves com 667, Elício Sá com 652, Valdineck Dantas com 647, Raimundo Borges com 585, Marlúcia Paixão com 530 e Reinaldo Oliveira com 485. Os votos válidos foram 72.773, nulos 5.435, brancos 1.322, tendo um total de apurados de 79.490 votos.

Os desafios continuam no século XXI, onde políticas futuras voltadas para a geração de empregos, defesa do Meio-Ambiente, fomento ao turismo, educação, cultura e esportes, habitação, melhor interligação entre a zona rural e a urbana, diversificação da agricultura e fortificação da clonagem do cacau, para evitar o êxodo rural e conseqüente inchaço da zona urbana; construção da segunda ponte Ilhéus- Pontal, construção da usina de beneficiamento de lixo e o aterro sanitário… dentre outras prioridades que os governantes devem preocupar-se em atender o que clama o povo e a cidade.

Em 28 de dezembro de 2000, falece o Bacharel e radialista Paulo Kruschewsky, renomado cidadão ilheense, consternando a todos os munícipes.

O Reveillon 2000/2001, foi festejado em festa pública na Av. Soares Lopes, houve ainda as festas dos blocos Mássicas e Borimbora, festas nos hotéis, cabanas de praia e em Olivença.

A história prossegue no site que foi fundado em 23 de setembro de 2000 e desde está data posta as notícias cotidianas do município de Ilhéus.

 

24 ideias sobre “História de Ilhéus”

  1. Gostaria de Saber noticias da familia Chagas Adamins,em especial o senhor Paulo Cesár Chagas Adamins.Ele é um senhor de aproximadamente 63 anos,um amigo dele que perdeu o contato,ele se chama Hermes Ferreira de Araujo.È Muito importante!!!Qualquer informação entre em contato por esse e-mail que eu sou filha do amigo dele.
    silvania_maia20@hotmail.com
    Agradeço pelo atenção.

  2. Prezados senhores,
    Gostaria de saber, por gentileza, o nome do (a) (s) autor (es) (as) deste texto e se possível sua formação. Gostei muito do referido texto e como sou professor de História queria utilizar algumas informações contidas nestes escritos, mas para tal preciso das referências.

    Saudações,

    Edu Neto.

  3. Mt bom o texto. Gostaria de obter informações sobre as datas de fundação dos postos de saúde de Ilhéus, em particular o Posto de Saúde Sarah Kubitschek de Oliveira.

  4. Gostei muito de ler este texto pois fui percebendo o nascimento desta cidade até os dias de hoje.
    Inicialmente vinha para Ilhéus como turista e me apaixonei pela cidade, acalentei por uns 9 anos o desejo de um dia vir morar aqui e para minha alegria em 2009 cheguei com minha família para morar. Vim transferida como Psicóloga da Secretaria da Justiça da Bahia para exercer a função no Presídio Advogado Ariston Cardoso onde permaneço trabalhando. Assim por este motivo gostaria de conhecer a história da construção desse presídio, se possível ver alguma foto da inauguração.
    Nasci na Cidade do Rio de Janeiro, me graduei em Psicologia na Cidade do Recife onde casei com um Bahiano, Morei em Salvador, morei em Jequié e finalmente vim para a cidade que divide o meu coração com a cidade do Recife-Pe. Amo Ilhéus e Recife!
    Obrigada pelas informações e aguardo conhecer se possível a história do Presídio Ariston Cardoso.
    Boa noite!

  5. Bom dia! Parabéns! O texto está muito bom.
    Gostaria de saber o autor (a) deste texto, pois preciso citar na minha dissertação de mestrado as referencias.
    Agradeço antecipadamente.
    Elizabeth.

  6. É muito gratificante ver o nome do meu pai, incluso na Historia de Ilhéus, mesmo por causa de um acidente, foi um grande nome na Camâra de Ilhéus na época.

  7. Todos os países, povos, cidades que têm história, tem presente e futuro, uns mais outros menos. Ilhéus, tem tudo isso, passado histórico muito rico, um presente maravilhoso e um futuro cheio de realizações, além da natura que foi generosa conosco. Por isso tudo, todo ilheense, como eu, deve ter orgulho de ser filho dessa cidade maravilhosa. Amo a minha terra.

  8. Muito interessante e cultural a vida dos coronéis de cacau,
    Eu gostaria de saber mais detalhes sobre a vida do saudoso Odilon Pompilio de Souza, seus filhos netos e bisnetos cuja família esteve ligada à minha mãe em Ilhéus através de laços de amizade.

  9. Onde não tem preservação da história, não tem cultura, porque cultura é o que fica. Ainda adolescente, estudando no colégio Barão de Maca´Macaúbas, felizmente ainda preservado, ainda me lembro quando aos domingos íamos para o campo de futebol que tinha em frente a igreja, onde tinha uma Gameleira enorme, assistir aos jogos. Tinha naquela época o Bangu, Alvarengagem, Lord, da familia do Juca Pinto, , Plebeu , um time do Banco da
    Vitória e o Canto do Pontal. Quanta lembrança boa. Amo minha terra.

  10. Eu era muito criança mas ouvia falar muito no Sr. Odilon Pompilho, foi uma figura proeminente de Pontal. Eu não tinha noção do que ele exercia mas era influente, Eu me lembro também do Sr. Juca Pinto, Cícero Pinto e seus descendentes. Meu pai foi o Sr. José Pacifico de Gois mas conhecido por “Seu Bebe”. Quem não se lembra dele?

  11. Excelente trabalho!
    Nasci no Pontal ,minha primeira escola foi a Barão de Macaúbas posteriormente estudei e me formei no IME mas não conhecia a história de Ilhéus com tanto detalhe.

  12. Boa tarde,
    Parabéns pelo levantamento histórico de Ilhéus! Excelente documentário.
    Estou escrevendo a história de meus avós e gostaria poder registrar e comprovar as historias que ouvia quando criança sobre o passado deles em Ilhéus, mais precisamente em Gandu, Itamari, Wenceslau Guimarães e Água Preta (Uruçuca). Um dos principais nomes que rodeiam as Historias é “Maneca Libânio” (Manoel Libânio).
    Se puder estabelecer contato com historiadores que registraram ou sabem das historias dos últimos 100 anos seria interessante.

  13. Seria importante mencionar a criação do Pólo de Informática de Ilhéus, que foi uma boa alternativa para a Ilhéus sair da crise causada pela vassoura de bruxa. No seu auge chegou a produzir e comercializar 25% dos computadores produzidos no Brasil e empregou mais de 4mil pessoas. Atualmente (2014) este polo vem sofrendo perdas significativas, mas se unido forças pode voltar a ser o principal gerador de renda da cidade.

  14. Olá, sou Adelaide Nogueira, jornalista aqui de Alagoas. Estou fazendo um levantamento de informações sobre um morador – já falecido, de Ilhéus. Ele chamava-se Antônio Wanderley Lins ou Antônio Lamenha Lins, foi comerciante na região e colaborou com o fundação do distrito de Sambaituba. Ele era alagoano, mas muito cedo foi trabalhar na Bahia. Se puderem me ajudar com alguma informação. Obrigada.

  15. ACRESCENTO-LHE,
    O PRIMEIRO DIREITOR DA TELESUL SR. ELIAS MENEZES DE MATTOS,
    DECORAÇÃO DOS CARNAVAIS DE ILHÉUS; SR. ZEZITO MATTOS, AMBOS MUITO CONTRIBUIRAM PARA FORMAÇÃO HISTÓRICA DE ILHÉUS, POR FAVOR NÃO OS DELETEM DA MEMÓRIA DA CIDADE!

  16. Texto perfeito…
    Irei citá-lo na minha referência bibliográfica.
    quem é o autor?
    qual a fonte utilizada?
    Aguardo a resposta.
    Obrigada!!!

    Parabéns pelo texto, muito bom mesmo!
    Também gostaria de citá-lo nas minhas referencias.
    Poderia informar quem é o autor e as fontes utilizadas?
    Obrigado.

  17. Parabéns pelo texto, muito bom mesmo!
    Também gostaria de citá-lo nas minhas referencias.
    Poderia informar quem é o autor e as fontes utilizadas?
    Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *